Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,83
    -0,74 (-1,87%)
     
  • OURO

    1.907,10
    -4,80 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    13.716,68
    +35,94 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,32
    +9,03 (+3,46%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.528,00
    -60,00 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7181
    +0,0776 (+1,17%)
     

Debate na Band: em SP, candidatos desconhecidos ‘ignoram’ perguntas e tentam falar direto com público

Anita Efraim
·2 minutos de leitura
Onze candidatos à prefeitura de São Paulo participaram do debate na noite de quinta-feira (Foto: Reprodução/TV Bandeirantes)
Onze candidatos à prefeitura de São Paulo participaram do debate na noite de quinta-feira (Foto: Reprodução/TV Bandeirantes)

Os candidatos à prefeitura de São Paulo participaram do primeiro debate eleitoral na noite desta quinta-feira, 1º, na Bandeirantes. Entre os principais tópicos da noite apareceram o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), retomada da economia, transporte público na capital paulista e o anti-petismo.

A maior parte dos candidatos é pouco conhecido pelo público. Dessa forma, quando questionados por opositores, optaram por ignorar as perguntas e tentaram dialogar diretamente com os eleitores, apresentando propostas de governo.

Participaram onze candidatos: Guilherme Boulos (Psol), Marina Helou (Rede), Filipe Sabará (Novo), Bruno Covas (PSDB), Marcio França (PSB), Joice Hasselmann (PSL), Celso Russomano (Republicanos), Arthur do Val (Patriota), Jilmar Tatto (PT), Orlando Silva (PCdoB) e Andrea Matarazzo (PSD).

Jilmar Tatto (PT), por exemplo, questionou Bruno Covas (PSDB) sobre a proposta de dar farinata para pessoas mais pobres. O atual prefeito respondeu que o Partido dos Trabalhadores não teve coragem de fazer a reforma da previdência na cidade.

ANTI-PETISMO E BOLSONARISMO

O anti-petismo foi usado por candidatos ao falarem sobre a situação da Cracolândia, na região central da capital. Covas, Joise Hasselmann (PSL) e Filipe Sabará citaram o programa Braços Abertos, criado por Fernando Haddad, chamando de “bolsa crack”.

Jair Bolsonaro foi evocado algumas vezes pelo candidato Celso Russomano (Republicanos), aliado do presidente da República. O candidato citou a proposta de “auxílio paulistano”, que complementaria o auxílio emergencial. Para Russomano, a amizade com o presidente ajudaria a concretizar a proposta.

Em primeiro nas pesquisas, Russomano foi o principal alvo dos opositores. “Está pegando mal você ficar puxando o saco do Bolsonaro toda hora”, criticou Guilherme Boulos (Psol), que aparece em terceiro nos levantamentos.

Leia mais sobre a eleição para prefeitos:

Sobre Bolsonaro, Orlando Silva questionou Joice Hasselmann sobre o envolvimento com o presidente. A candidata do PSL afirmou ter rompido com Bolsonaro por causa dos filhos e exaltou a bandeira anticorrupção.

REDES SOCIAIS

Um dos recursos usados pelos candidatos foi fazer propaganda das redes sociais e sites, como a candidata Marina Helou (Rede), que usou o tempo da primeira pergunta para dar o endereço virtual, onde estão as propostas dela. Russomano, questionado por Boulos sobre o recurso de humilhar caixas de supermercado, indicou o canal no YouTube dele, onde estão os vídeos com pautas de direito ao consumidor.