Mercado abrirá em 4 h 2 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,82
    +0,07 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.725,70
    -7,90 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    50.844,45
    +2.240,62 (+4,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.018,46
    +30,37 (+3,07%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.692,97
    +79,22 (+1,20%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.170,50
    +115,25 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Debêntures incentivadas poderão ser usadas para financiar fibra ótica

Luciano Nascimento
·1 minuto de leitura

Ministério das Comunicações autorizou a emissão de debêntures incentivadas para utilização em projetos de infraestrutura de telecomunicações. A pasta aprovou um projeto, da empresa Brisanet Serviços de Telecomunicações, que prevê a ligação de redes de fibra ótica no perímetro urbano nos estados de Alagoas, do Ceará e do Rio Grande do Norte. A portaria foi publicada na edição de hoje (28) do Diário Oficial da União.

Debêntures incentivadas são títulos de crédito privado de médio a longo prazos emitidos por empresas de diversos setores e voltados especificamente para o financiamento de projetos de infraestrutura.

As redes vão ampliar o acesso dos moradores de tais regiões a serviços de banda larga, telefonia fixa e de TV a cabo. De acordo com a portaria do ministério, a empresa responsável pela execução dos trabalhos está autorizada a emitir R$ 529 milhões em debêntures incentivadas e tem até 2026 para concluir os projetos. A principal diferença entre as debêntures comuns e as incentivadas está na redução ou mesmo na isenção de Imposto de Renda.

No fim do ano passado, o Ministério das Comunicações editou seis portarias autorizando a captação de mais de R$ 4,3 bilhões para a implementação de rede móvel e banda larga em todo o país.

Segundo o ministério, a medida estimula o crescimento de um mercado privado de financiamento de longo prazo, com validade de cinco anos.

“No caso de empresas (pessoa jurídica), a taxa cai de 22,5% para 15%. Para pessoas físicas, as taxas são zeradas, ou seja, ficam isentas do imposto de renda sobre os resultados do investimento”, informou a pasta.