Mercado fechado

De trans para trans: projetos para a inclusão no mercado de trabalho

·5 minuto de leitura

As dificuldades enfrentadas por pessoas transexuais para integrar o mercado de trabalho são inúmeras. A principal barreira já se apresenta logo na primeira etapa do processo de estar em busca de uma oportunidade: conseguir uma entrevista de emprego. Mesmo as pessoas transgênero que conseguem realizar a entrevista e são aprovadas para uma vaga, são recorrentes os relatos de preconceito dentro do ambiente de trabalho e da consequente dificuldade de permanecer no emprego.

De acordo com levantamento feito pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), apenas 4% das mulheres travestis e transexuais têm empregos formais, e cerca de 90% estão em situação de informalidade. Outro estudo que aponta para a realidade das pessoas trans no mercado de trabalho é o 1º Mapeamento de Pessoas Trans na Cidade de São Paulo, relatório divulgado pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos da capital paulista. 

O levantamento ouviu 1.788 pessoas trans e travestis e concluiu que a maioria da população trans entrevistada é composta por mulheres jovens, pardas e pretas, e 59% exerciam função remunerada no mercado de trabalho informal.

Diante desse contexto muitas vezes desolador, pessoas transexuais criam iniciativas que tem como objetivo atender a população trans com projetos e empreendimentos que ajudam na inclusão ao mercado de trabalho, bem como consultorias para empresas e seus funcionários aprenderem a lidar com a diversidade, entre outros projetos.

Confira a seguir 6 desses empreendimentos liderados por pessoas transexuais:

  1. Pri Bertucci - Diversity Bbox

  2. Gabriela Augusto - Transcendemos

  3. Noah Scheffel - EducaTransforma

  4. Maite Schneider - TransEmpregos

  5. Renato Augusto - Transgarçonne

  6. Andréa Brazil - Capacitrans

Pri Bertucci - Diversity Bbox

Pri Bertucci é fundador da Diversity Box. Foto: Reprodução.
Pri Bertucci é fundador da Diversity Box. Foto: Reprodução.

Pri Bertucci é fundador, CEO e diretor da SSEX BBOX. Projeto criado em 2009 que tem como objetivo dar visibilidade a questões de gênero e sexualidade. Bertucci é um dos poucos CEOs trans do país, e com a consultoria Diversity Bbox, a premissa principal é promover a inclusão no mundo corporativo e ensinar empresas a difundir a diversidade. O projeto oferece um curso ministrado para instituições chamado “Tudo que você precisa saber sobre LGBTQIAP+” com certificação pelo pacto global da ONU. Além disso, também é disponibilizado um Guia de inclusão de pessoas transgêneras e não-binárias no local de trabalho brasileiro.

Gabriela Augusto - Transcendemos

Gabriela Augusto - Transcendemos. Foto: Reprodução.
Gabriela Augusto - Transcendemos. Foto: Reprodução.

A advogada Gabriela Augusto, mulher trans, viveu na pele as dificuldades e preconceitos durante sua jornada acadêmica e quando começou a procurar emprego. Inconformada com essa realidade, Gabriela fundou em 2017 o Transcendemos, consultoria voltada a projetos de diversidade e inclusão que atende a mais de 100 organizações. Algumas das soluções oferecidas pelo Transcendemos são processos de aprendizagem sobre temáticas de gênero para instituições, como palestras, workshops e rodas de conversa. Na parte estratégica, a consultoria realiza uma curadoria de talentos onde busca por profissionais que fazem parte de grupos sub-representados e que se enquadram no perfil das vagas das empresas.

Google, Laboratórios Fleury e Twitter são algumas das empresas que já receberam a consultoria Transcendemos.

Noah Scheffel - EducaTRANSforma

Noah Scheffel - EducaTRANSforma. Foto: Reprodução.
Noah Scheffel - EducaTRANSforma. Foto: Reprodução.

Enquanto escrevia seu TCC para a graduação em Serviço Social, Noah Scheffel, homem trans, decidiu focar sua pesquisa para as questões do acesso de pessoas trans à empregabilidade e à educação. Durante esse período, acabou parando a escrita do trabalho de conclusão de curso para se dedicar a outro projeto: o EducaTRANSforma. A iniciativa cria uma ponte entre pessoas trans e o mercado de trabalho de tecnologia e inovação, através da capacitação gratuita dessas pessoas para que possam ser contratadas pelas empresas do segmento. Outra frente de atuação do EducaTRANSforma é atender empresas para que estas possam oferecer ambientes de trabalho mais seguros e responsáveis com profissionais transgênero.

Maite Schneider - TransEmpregos

Maite Schneider, fundadora da TransEmpregos.
Maite Schneider, fundadora da TransEmpregos.

Embaixadora da Rede Mulher Empreendedora, Maite Schneider, encontrou no mundo dos negócios uma oportunidade para abrir portas. Schneider é uma das fundadoras do TransEmpregos, banco de talentos para travestis e transexuais que buscam inserção no mercado de trabalho cadastrem seus currículos.

Maite cursou Direito até o quinto semestre, mas como a maioria das pessoas trans, desistiu do curso após tentar inúmeras vagas de estágio e não conseguir nenhuma oportunidade.

Em março deste ano, a TransEmpregos comemorou a marca de 777 empresas parceiras. Em 2020, a plataforma registrou um aumento de 315% no número de usuários e no período de um ano foram abertas 1.419 vagas e 794 profissionais trans foram empregados.

Renato Augusto - Transgarçonne

O Transgarçonne foi criado em 2019 como um curso de extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para preparar pessoas trans para o mercado de trabalho do setor de gastronomia e bebidas. O objetivo é qualificar os participantes para atuar em bares, cafeterias e restaurantes. Idealizado por Renato Augusto, homem trans, em parceria com o professor de gastronomia Breno Cruz, o projeto já contou com empresas e instituições parceiras como a ONG Casinha, a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, a Three Monkeys Beer e o Outback, empresa que foi a primeira a empregar um aluno do curso. O transgarçonne não se restringe aos alunos da UFRJ, sendo aberto à toda a comunidade.

Andréa Brazil - CapaciTtrans

A maquiadora, cabeleireira e microempreendedora Andréa Brazil é a responsável e a criadora do projeto CapaciTrans. Depois de sofrer transfobia pelas empresas por onde passou, Andréa resolveu tomar a iniciativa para capacitar pessoas transexuais e não-binárias. O CapaciTrans oferece o curso Transempreendedorismo formando profissionais de diversas áreas como gastronomia, eventos e moda. Além de cursos, o projeto também divulga o trabalho das pessoas trans e faz parcerias com empresas que estejam interessadas em ter equipes de trabalho pautadas na diversidade e no respeito.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos