Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.340,65
    -199,42 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Davos 2023: Kuroda promete manter política monetária ultrafrouxa do BC do Japão

Presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda

DAVOS, Suíça (Reuters) - O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, disse nesta sexta-feira que o banco central vai manter sua atual política monetária "extremamente acomodativa" para atingir sua meta de inflação de 2% de maneira estável e sustentável.

"Nossa esperança é que os salários comecem a subir, e isso pode fazer com que nossa meta de inflação de 2% seja atingida de maneira estável e sustentável. Mas temos que esperar" por algum tempo, disse ele em um painel no Fórum Econômico Mundial.

Kuroda disse que a decisão do Banco do Japão de ampliar a faixa em torno do rendimento do título de 10 anos foi "perfeitamente correta", deixando de lado as críticas de que o movimento não conseguiu eliminar as distorções do mercado e, em vez disso, fomentou especulações de ajustes adicionais em sua política de controle da curva de rendimento.

O núcleo dos preços ao consumidor do Japão subiu 4% em dezembro em relação ao ano anterior, o dobro da meta de 2% do banco central, atingindo uma nova máxima de 41 anos e mantendo vivas as expectativas do mercado de que o banco central pode eliminar gradualmente os juros ultrabaixos.

Kuroda disse que o aumento da inflação em dezembro foi causado em grande parte pelos custos mais altos de importação, acrescentando que a inflação ao consumidor deve começar a desacelerar a partir de fevereiro e ficará abaixo de 2% em média no ano fiscal que começa em abril.

"Em suma, a política do governo, junto com a política extremamente acomodativa do Banco do Japão, teve sucesso em mudar a estrutura econômica do Japão e as perspectivas de crescimento", disse ele.

"Mas nossa meta de inflação de 2% não foi alcançada de maneira sustentável e estável", disse ele. "Esse é o único arrependimento que tenho", disse Kuroda, falando sobre sua década no comando do banco central japonês, que terminará quando seu mandato expirar em abril.

(Reportagem de Mark John, reportagem adicional de Leika Kihara em Tóquio)