Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.443,33
    -221,08 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Davos 2023: DP World prevê queda de 15% a 20% nos preços globais de fretes

Por Maha El Dahan

DAVOS (Reuters) - A DP World espera que as taxas de frete caiam de 15% a 20% em 2023, à medida que a demanda esfria, disse o vice-presidente-executivo e diretor financeiro da empresa de logística global, Yuvraj Narayan, à Reuters nesta segunda-feira.

Narayan disse que os primeiros sinais de queda na demanda são visíveis e as taxas de frete de transporte marítimo caíram fortemente em certas rotas, após agências como o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduzirem previsões de crescimento.

As taxas de frete são os preços pelos quais as cargas são entregues por contêiner de um ponto do globo para outro.

Os maiores problemas vêm de China, Europa e Estados Unidos, como os maiores países produtores e consumidores do mundo, disse Narayan, da DP World, em entrevista durante o Fórum Econômico Mundial em Davos.

Narayan disse que nas taxas de frete marítimo houve um declínio significativo nas taxas de frete entre 20% e 50% em relação aos picos do ano passado.

Houve três fatores primordiais para isso, disse Narayan, principalmente interrupções durante a pandemia de Covid-19, inflação na Europa devido à alta dos preços da energia e graves interrupções nas cadeias de suprimentos globais.

Essas interrupções persistem como resultado da guerra na Ucrânia e das sanções contra a Rússia, acrescentou.