Mercado fechará em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    111.219,27
    -854,27 (-0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.414,08
    -604,83 (-1,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,50
    +0,09 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.932,20
    -10,60 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    23.866,30
    +842,78 (+3,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    545,21
    -0,11 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.180,82
    +61,61 (+1,50%)
     
  • DOW JONES

    33.956,13
    -136,83 (-0,40%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.815,00
    +400,75 (+3,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4664
    -0,0880 (-1,58%)
     

Davos 2023: China está aberta ao mundo, diz vice-premiê Liu

Vice-premiê da China, Liu He

Por Brenda Goh e Mark John

DAVOS, Suíça (Reuters) - A China está aberta ao investimento estrangeiro e continuará a se abrir para o mundo, disse o vice-premiê do país, Liu He, no Fórum Econômico Mundial em Davos, nesta terça-feira.

O país está confiante que sua economia retornará à tendência normal de crescimento em 2023 e espera um aumento significativo das importações, investimentos empresariais e consumo, acrescentou Liu em um discurso que mencionou o fortalecimento da cooperação internacional e a manutenção da paz mundial 11 vezes.

Pequim também continuará a apoiar o setor privado, promover a concorrência justa e aprofundar a reforma de suas gigantes estatais, acrescentou, dizendo que algumas sugestões de que poderia retornar a uma economia planificada são impossíveis.

"A China sempre promoverá uma abertura geral e melhorará o nível e a qualidade da abertura", disse ele. "Investimentos estrangeiros são bem-vindos na China, e a porta para a China só se abrirá ainda mais".

A visita de Liu ao resort suíço marca a primeira viagem ao exterior de uma delegação chinesa de alto nível desde que Pequim começou a reduzir de forma abrupta no mês passado suas medidas rígidas contra a Covid-19, que protegiam a população de 1,4 bilhão de pessoas do vírus mas também isolaram a China do restante do mundo nos últimos três anos.

As declarações de Liu marcam um dos sinais mais explícitos da China de que o país deseja se envolver novamente em questões importantes e atrair investimentos enquanto tenta impulsionar uma economia que cresceu apenas 3% no ano passado, um de seus piores desempenhos em meio século e distante da meta de 5,5%.

(Reportagem de Brenda Goh e Mark John)