Mercado abrirá em 3 h 39 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,52
    +0,16 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.842,40
    +12,50 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    37.133,84
    +692,10 (+1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    732,96
    -2,18 (-0,30%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.766,47
    +45,82 (+0,68%)
     
  • HANG SENG

    29.630,38
    +767,61 (+2,66%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.925,50
    +123,25 (+0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4102
    +0,0149 (+0,23%)
     

Datafolha em São Paulo: Na reta final, Covas tem 54%, e Boulos, 46% dos votos válidos

IGOR GIELOW
·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na reta final da campanha eleitoral paulistana, o prefeito Bruno Covas (PSDB) marca 54% dos votos válidos e o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, 46%, mostra o Datafolha. A corrida a ser decidida no domingo (29) é acirrada. A vantagem do tucano era de 16 pontos sobre o psolista na pesquisa dos dias 17 e 18 passados. Uma semana depois, no levantamento de terça (24) e quarta (25), caiu à metade. O quadro, contudo, é de estabilidade agora em relação ao levantamento feito segunda (23), quando o placar era 55% a 45% dos válidos.​ O instituto ouviu 1.512 eleitores. A pesquisa, feita a pedido da Folha de S.Paulo e da TV Globo, tem margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95%. O levantamento está registrado no Tribunal Regional Eleitoral sob o número SP-09865/2020. A conta exclui, como acontece na totalização da Justiça Eleitoral no dia da eleição, os votos nulos e brancos. Além disso, estão de fora os indecisos. Para isso é preciso observar os votos totais. Aqui, há apenas uma oscilação negativa de um ponto para Covas, que na pesquisa feita na segunda (23) tinha 48%, enquanto Boulos manteve os mesmos 40%. Na pesquisa feita na semana passada (dias 17 e 18), o prefeito largara com 58% dos válidos e 48% dos totais, segundo o Datafolha. Já o nome do PSOL tinha 42% dos válidos e 35% dos totais. A oscilação positiva de cinco pontos nos votos totais de Boulos para a pesquisa de segunda, ainda que dentro da margem de erro, acendeu sinais de alerta na campanha tucana. O candidato do PSOL avançara sobre indecisos e quem ia votar branco ou nulo. Neste levantamento, o movimento parou. Brancos e nulos seguiram em 9% e indecisos oscilaram de 3% para 4% dos totais. Do começo da semana para cá, os candidatos foram sabatinados diversas vezes, como ocorreu nesta quinta (26) no evento Folha/UOL, que ouviu Covas e Boulos. Os temores de lado a lado permanecem os mesmos. O PSDB tem tido de lidar com a intensificação do escrutínio do candidato a vice do prefeito, Ricardo Nunes (MDB), que responde a acusações de envolvimento com irregularidade em creches, e teme os efeitos da abstenção no eleitorado mais pobre e velho. Já o candidato do PSOL se viu às voltas com perguntas acerca de suas pechas de inexperiente e radical, dada que nunca exerceu função eletiva e tem seu histórico ligado ao movimento dos sem-teto. Neste momento, 84% dos ouvidos dizem estar certos de seu voto e 15%, podem mudar. Desse grupo, 55% migrariam para anular ou votar em branco, 19% escolheriam Boulos e 17%, Covas. Entre os que votam no PSOL, 87% se dizem certos e 13%, podem mudar –desses, 59% estariam propensos a anular ou votar em branco e 37% migrariam para Covas. No grupo tucano, 83% dizem que confirmarão o apoio ao prefeito e 17%, que teriam outra opção: anular ou votar em branco (62%) ou apoiar Boulos (37%). Ou seja, o caminho de uma virada do PSOL, que teve 20,24% dos válidos ante 32,85% do prefeito no primeiro turno, contando com a pescaria desses votos indecisos ou hoje de rejeição é acidentado. Os menos convictos são os mais jovens, justamente o eleitorado em que Boulos tem mais vantagem sobre Covas (61% a 27% dos válidos): 27% podem mudar de ideia domingo (29). Já os com mais de 60%, esteio do tucano (68% a 32% dos válidos), são os mais decididos, com só 10% admitindo alterar a opção. A vantagem do psolista entre os grupos mais jovens (12% da amostra do Datafolha) tem menos peso relativo, se confirmada, do que a do tucano entre os velhos (23% da amostra). O mesmo se dá nas categorias associadas aos dois segmentos: o nome do PSOL faz 65% a 35% dos válidos ante Covas entre estudantes, mas eles são só 2% da amostra. Já o tucano bate Boulos por 67% a 33% entre aposentados, que são 13% do universo. Outro estrato em que há uma disparidade grande em relação ao resultado geral é o dos funcionários públicos, tema da campanha de Boulos, que dão 68% a 32% para o psolista. Só que eles são 4% da amostra. Já Covas angaria apoio de 64% dos evangélicos (23% da amostra), ante 36% de Boulos. A vantagem se reduz para 59% a 41% entre os que se declaram católicos (43% dos ouvidos). A questão da abstenção, que foi de 29,3% no primeiro turno, angustia os tucanos, já que pessoas mais velhas podem se sentir mais tentadas a ficar em casa devido aos riscos de contágio da Covid-19. Onde é possível aferir, a distribuição geográfica, Covas foi mais prejudicado pela abstenção no primeiro turno. Bairros periféricos, com mais pobres e pessoas menos instruídas, que apoiam mais o tucano, tiveram faltas às urnas na casa dos 40%. Nesta pesquisa, o prefeito segue liderando entre quem ganha menos de 2 salários mínimos (54% a 46%). Já entre aqueles que só têm o ensino fundamental, Covas ganha por 65% a 35% de Boulos. A migração de apoios do primeiro turno, vencido por Covas, se cristalizou. Entre os 13,4% que votaram em Márcio França (PSB), 56% apoiam o tucano e 44%, o psolista. O ex-governador paulista não apoiou nenhum dos dois. Já o eleitorado do quarto colocado Celso Russomanno (Republicanos, com 10,5%) foi para Covas como o próprio deputado, que na primeira rodada era o nome do presidente Jair Bolsonaro na disputa. Entre seus eleitores, o nome do PSDB tem 71% e o do PSOL, 29%. O conhecimento do número do candidato, vital para a votação na urna eletrônica, é alto: 75% acertam as menções a seus candidatos. O Datafolha questionou também aos eleitores acerca da importância partidária e programática na hora de decidir seus votos. Para 83%, são as propostas dos candidatos que valem mais, enquanto 8% apontam o partido do postulante. Para 4%, ambas as coisas são importantes e 6%, não souberam responder.