Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.281,49
    +1.175,64 (+3,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0485 (-0,75%)
     

Dasa compra Grupo Leforte de hospitais em São Paulo por R$ 1,77bi

Luciana Casemiro
·2 minuto de leitura

RIO - O Grupo Dasa comprou por R$ 1,77 bilhão o maior grupo hospitalar independente de São Paulo, o Leforte. O negócio inclui três unidades hospitalares - Leforte Morumbi, Leforte Liberdade e Hospital e Maternidade Christovão da Gama -, além de quatro clínicas gerais e uma especializada em pediatria.Com essa transação o grupo fecha o ano com o dobro o número de hospitais que tinha em 2019, somando 12 hospitais em todo o pais. A operação também garante a rede uma maior capilaridade no mercado de São Paulo, o maior do país, com unidades na capital e no ABC Paulista o que fortalece o projeto de desenvolvimento, com operadoras de saúde, de planos especiais, a exemplo do que foi feito por outros grupos como a Rede D'Or.

- Essa operação é muito relevante para o nosso negócio por se tratar da maior rede regional de São Paulo. Com essa aquisição, a inauguração do Hospital de Águas Claras, em Brasília, e a compra do Grupo Carmo, no Rio, ganhamos capilaridade nos três maiores mercados da saúde do país. Isso nos dá mais ferramentas para oferecer soluções as nossas parceiras operadoras e poder criar produtos mais acessíveis - diz Pedro Bueno, presidente do grupo, que admitiu já está em conversa com as operadoras para desenvolvimento de produtos.

Segundo Bueno, o ano foi de forte consolidação no setor de saúde, o que ajudou o segmento a enfrentar a crise, e a continuar a investir e garantiu maior sustentabilidade. De 2015 a 2020, o grupo investiu cerca de R$ 6 bilhões e ele não nega que continua atento a novas oportunidades país afora,

- Já somos o segundo player em prestação de serviço no setor em relação a redes hospitalares independentes de operadoras. Precisamos continuar a expandir e ter mais relevância para poder implementar o modelo de assistência integrada no qual acreditamos - destaca Bueno.

Em setembro, o Dasa já tinha adquirido o Grupo Carmo, no Rio, que compreende o Hospital Casa de Saúde Nossa Senhora do Carmo (RJ) eo Hospital Vital, negociação ainda sujeita à aprovação dos órgãos de controle. Além dessas duas unidades, o grupo já é dono no estado do Hospital São Lucas, em Copacaba, e do Complexo Hospital de Niterói (CHN), em Niterói.

Em novembro do ano passado, o grupo uniu a operação da maior rede diagnóstico da América Latina, de medicina diagnóstica distribuídas por 40 marcas e uma integradora de saúde, a GSC, com foco em coordenação de cuidado à rede hospitalar Ímpar.

Em 2019, a holding faturou R$ 8 bilhões. Já o Grupo Leforte registrou, no mesmo período, um faturamento de R$ 1 bilhão. A transação ainda depende da aprovação do Cade e demais órgãos competentes,

A rede de hospitais do Dasa é composta ainda por Hospital 9 de Julho (SP), Santa Paula (SP), , Hospital Brasília (DF),ternidade Brasília (DF), Hospital Casa de Saúde Nossa Senhora do Carmo (RJ) e Hospital Vital (RJ).