Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,32
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.867,20
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    43.069,04
    -2.648,19 (-5,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.308,75
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4103
    +0,0063 (+0,10%)
     

Darlan Cunha, o Laranjinha, lembra morte do pai: "Virou bandido para sustentar o vício"

Bárbara Saryne
·1 minuto de leitura
Darlan Cunha falou sobre a relação com o pai biológico (Foto: Reprodução/YouTube)
Darlan Cunha falou sobre a relação com o pai biológico (Foto: Reprodução/YouTube)

Darlan Cunha, que interpretou Laranjinha em 'Cidade dos Homens', revelou ter pânico de drogas por causa do pai biológico. O ator abriu o coração em um bate-papo no canal 'Na Real', do YouTube, e explicou que sempre fez o possível para a história não se repetir.

"Meu pai era bandido, meus tios eram também bandidos, meus amigos de escola viraram traficantes. Mas nunca me envolvi", diz ele, que perdeu o pai ainda na infância.

Leia também

Darlan contou que encontrava o pai uma vez por ano e gostava de conversar com ele. Aos 7 anos, no entanto, os dois se falaram pela última vez.

Minha mãe saiu de casa quando eu tinha um ano. O contato que tinha com o meu pai era uma vez por ano, quando me pegava para ficar com ele. Eu adorava ficar com meu pai. "Eu me lembro do meu pai vendendo as drogas em uma mesa e eu sentado vendo", afirma.

Aos 18, Darlan tentou fazer outro contato, mas soube que o pai já estava morto. "Fui na favela onde ele morava e encontrei meus primos. Um deles me contou o ano em que ele morreu. A história é que ele roubou e foi para a favela. Isso é muito crítico, levar a polícia para a favela. A polícia chegou, procurou quem tinha roubado e aí os 'caras' resolvem do jeito deles", recorda.