Mercado fechará em 4 h 56 min

Daniel Radcliffe responde comentários polêmicos de J.K. Rowling

Laísa Trojaike

J.K. Rowling, mais conhecida como a autora da série de livros Harry Potter, envolveu-se em mais uma polêmica com a comunidade LGBTQ+. Claro que isso não passou em branco e, dois dias após publicar comentários polêmicos no Twitter, a autora teve uma resposta do ator Daniel Radcliffe, que interpreta o próprio Harry Potter nas adaptações cinematográficas dos livros.

A autora compartilhou um artigo intitulado “Creating a more equal post-COVID-19 world for people who menstruate” (Criando um mundo pós-COVID-19 mais igualitário para as pessoas que menstruam, em tradução livre), que aborda a questão sobre meninas, mulheres e pessoas não-binárias de gênero que menstruam e precisam de materiais de higiene pessoal apesar da pandemia. Ironizando o título do artigo, a autora escreveu “‘Pessoas que menstruam.’ Tenho certeza de que costumava haver uma palavra para essas pessoas. Alguém me ajude”, adicionando variações da palavra “woman” (mulher) em seguida: “Wumben? Wimpund? Woomud?”

Essa não é a primeira vez que Rowling chama a atenção por abordar esse assunto dessa maneira. No ano passado, a escritora demonstrou apoio a Maya Forstater, uma pesquisadora que fez uma série de tweets indicando seu posicionamento de que as pessoas não podem mudar seu sexo biológico.

Daniel Radcliffe, J.K. Rowling, Emma Watson e Rupert Grint (Imagem: Dave M. Benett / Getty Images)

Embora o tweet de Rowling tenha sido curtido por mais de 77 mil pessoas, seu posicionamento repercutiu negativamente e a autora passou a responder tweets de outros usuários. Ela disse que passou “boa parte dos últimos três anos lendo livros, blogs e artigos científicos de pessoas trans, médicos e especialistas em gênero”, em sua defesa.


Diante das inúmeras críticas, a autora resolveu escrever uma série de tweets explicando seu posicionamento. “Se o sexo não é real, não há atração pelo mesmo sexo. Se o sexo não é real, a realidade vivida das mulheres em todo o mundo é apagada. Eu conheço e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo remove a capacidade de muitos discutirem significativamente suas vidas. Não é ódio falar a verdade”, disse ela.

O assunto continuou no segundo tweet: “A ideia de que mulheres como eu, que têm empatia por pessoas trans há décadas, sentindo afinidade porque são vulneráveis ​​da mesma maneira que as mulheres — ou seja, à violência masculina — ‘odeiam’ as pessoas trans porque elas acham que o sexo é real e teve consequências — é um absurdo.”

Em um terceiro tweet, a autora completou sua linha de pensamento dizendo que respeita “o direito de todas as pessoas trans de viverem de qualquer maneira que lhes pareça autêntica e confortável” e que marcharia com qualquer pessoa que “fosse discriminada por ser trans”. Por fim, Rowling disse que, ao mesmo tempo, sua vida foi moldada por ser mulher e que não acredita que seja detestável dizer isso.

A resposta de Daniel Radcliffe não foi nas redes sociais. O ator escreveu uma declaração que foi publicada no site do Trevor Project, uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo informar e prevenir o suicídio entre jovens LGBT. Leia o texto na íntegra:

"Sei que certos meios de comunicação provavelmente vão querer pintar isso como uma briga entre J.K. Rowling e eu, mas não é disso que se trata, isso nem é importante no momento. Enquanto Jo [J.K. Rowling] é inquestionavelmente responsável pelo curso que minha vida tomou, como alguém que teve a honra de trabalhar e continua a contribuir com o Trevor Project na última década e apenas como um ser humano, sinto-me compelido a dizer algo neste momento.

As mulheres trans são mulheres. Qualquer declaração contrária apaga a identidade e a dignidade das pessoas trans e vai contra todos os conselhos dados por associações profissionais de saúde que têm muito mais experiência nesse assunto do que Jo ou eu. De acordo com o Trevor Project, 78% dos jovens trans e não-binários relataram ter sido objeto de discriminação devido à sua identidade de gênero. É claro que precisamos fazer mais para apoiar pessoas trans e não-binárias,não invalidar suas identidades e não causar mais danos.

Ainda estou aprendendo a ser um aliado melhor, portanto, se você quiser se juntar a mim para aprender mais sobre identidades trans e não-binárias, consulte o Guia do Trevor Project para ser um aliado de jovens trans e não-binários. É um recurso educacional introdutório que cobre uma ampla variedade de tópicos, incluindo as diferenças entre sexo e gênero e compartilha as melhores práticas sobre como apoiar pessoas trans e não-binárias.

Para todas as pessoas que agora sentem que sua experiência com os livros foi manchada ou diminuída, lamento profundamente a dor que esses comentários lhe causaram. Eu realmente espero que você não perca totalmente o que era valioso nessas histórias para você. Se esses livros lhe ensinaram que o amor é a força mais forte do universo, capaz de superar qualquer coisa; se eles te ensinaram que a força é encontrada na diversidade e que ideias dogmáticas de pureza levam à opressão de grupos vulneráveis; se você acredita que um personagem em particular é trans, não-binário ou gênero-fluido, ou que eles são gays ou bissexuais; se você encontrou algo nessas histórias que ressoou com você e o ajudou em qualquer momento da sua vida — então isso é entre você e o livro que você lê, e isso é sagrado. E na minha opinião ninguém pode tocar nisso. Isso significa para você o que significa para você e espero que esses comentários não manchem muito isso.

Amor sempre,
Dan"

Fonte: Canaltech