Mercado fechará em 2 h 10 min
  • BOVESPA

    110.755,72
    +1.911,98 (+1,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.817,43
    +259,78 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,39
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.777,50
    +13,70 (+0,78%)
     
  • BTC-USD

    41.740,95
    -2.319,73 (-5,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.040,13
    -23,71 (-2,23%)
     
  • S&P500

    4.362,95
    +5,22 (+0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.019,74
    +49,27 (+0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.025,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1945
    -0,0502 (-0,80%)
     

Ortega disputará quarto mandato presidencial na Nicarágua com adversários presos

·4 minuto de leitura

O presidente Daniel Ortega e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo foram proclamados nesta segunda-feira (2) candidatos para um quarto mandato sucessivo nas eleições de novembro na Nicarágua, enquanto seus principais adversários estão na prisão.

O congresso da governista Frente Sandinista (FSLN, esquerda), órgão máximo de consultas do partido, ratificou o casal presidencial com o voto unânime de 2.932 membros presentes, anunciou Gustavo Porras, um de seus dirigentes.

Ortega, um ex-guerrilheiro de 75 anos, que governa a Nicarágua desde 2007 após duas reeleições sucessivas que a oposição considerou "fraudulentas", tentará permanecer no poder até 2027, ao lado de Murillo, de 70 anos, que o acompanha na vice-presidência desde 2017.

"Aqui estamos para continuar a luta contra a pobreza", disse a primeira-dama.

Após sua nomeação, o casal será inscrito no Conselho Supremo Eleitoral (CSE), que nesta segunda encerra o período de registro de candidatos em um clima de tensão entre Ortega e a oposição, assim como novas sanções internacionais adotadas contra o governo.

A União Europeia (UE) sancionou nesta segunda-feira com restrições migratórias e financeiras Murillo, seu filho Juan Carlos e outros seis funcionários do governo por sua responsabilidade nas "graves violações dos direitos humanos" na Nicarágua.

A medida se soma a outras adotadas pelos Estados Unidos e pelo Canadá contra funcionários do governo Ortega, em protesto contra a repressão que mantém contra seus opositores desde a explosão das manifestações antigovernamentais de 2018.

Quem "sai para buscar o ianque, o europeu para que venha sancionar (...) deixa de ser nicaraguense", advertiu Ortega após sua postulação, dirigindo-se aos opositores que fazem campanha contra seu governo no exterior.

A subsecretária de Segurança Civil, Democracia e Direitos Humanos do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Uzra Zeya, considerou através de um tuíte como "inaceitável" que antes das eleições o governo nicaraguense esteja "reforçando seu controle sobre qualquer dissidência pacífica".

- Sem oposição forte -

Ortega planeja disputar as eleições de novembro sem uma forte oposição, depois que a polícia deteve, entre junho e julho, sete candidatos à Presidência.

Entre eles, Cristiana Chamorro, filha da ex-presidente Violeta Barrios de Chamorro (1990-1997), considerada favorita para vencer a FSLN.

Os opositores são acusados na maioria de "traição" à pátria, segundo uma polêmica lei aprovada em dezembro passado a pedido do governo, que pune com a prisão (de 10 a 15 anos) quem promover ingerência estrangeira e apoiar sanções internacionais.

A maioria dos candidatos detidos tinha concordado em se submeter à seleção de um candidato único da oposição sob a bandeira da Aliança Cidadãos pela Liberdade (CxL, direita), mas as acusações contra eles os inibiram de participar.

Ortega acusou os opositores presos de "terroristas" e "mercenários" a serviço dos Estados Unidos.

Com seus adversários na prisão, o partido sandinista se dispõe a enfrentar uma direita dividida principalmente em dois blocos: a aliança CxL, enfraquecida pela detenção de quase todos os seus pré-candidatos, e o Partido Liberal Constitucionalista (PLC), segunda força parlamentar, acusada de colaborar com o governo.

Ortega tem sido o único candidato da FSLN desde as eleições celebradas em 1984 para legitimar a revolução que pôs fim à ditadura da família Somoza em 1979.

Foi derrotado nas eleições de 1990, de 1996 e 2001 por partidos de direita.

Após voltar ao poder em 2007, conseguiu manter nos primeiros anos um clima favorável ao crescimento econômico de 4% a 5% anuais, segundo dados oficiais.

Mas a repressão aos protestos de 2018 e a pandemia frearam o processo de expansão econômica e geraram uma crise política que mantém na prisão mais de 130 dissidentes, segundo a oposição.

"Sempre há aqueles que tentam frear este desenvolvimento", reclamou o presidente dirigindo-se a seus adversários políticos, aos quais qualificou, citando dom Quixote de La Mancha, de "cães que uivam" porque sabem "que estamos caminhando".

- Polêmica chapa da oposição -

Com seus pré-candidatos presos, a CxL optou por eleger como sua chapa presidencial uma dupla polêmica formada pelo ex-guerrilheiro dos denominados "Contra" Oscar Sobalvarro, de 68 anos, e a ex-miss Berenice Quezada, de 27 anos.

Os dois foram os primeiros a se inscrever no CSE nesta segunda-feira.

"Esperamos que o assédio e a repressão cessem" contra os opositores para que a campanha eleitoral transcorra de forma tranquila, pediu Sobalvarro ao deixar a sede do CSE.

Conhecido como "comandante Rubén", Sobalvarro foi um dos líderes da desaparecida contrarrevolução que os Estados Unidos financiaram contra a Revolução Sandinista nos anos 80. É também vice-presidente da CxL.

Quezada, uma ex-modelo sem carreira política, que venceu o concurso Miss Nicarágua em 2017, defendeu a libertação dos "presos políticos" do governo.

À tarde também se inscreveu no CSE a chapa do PLC, formada pelo empresário Milton Arcia e a advogada María Moncada.

A Nicarágua, com 6,5 milhões de habitantes, elegerá em novembro presidente, vice-presidente, 92 deputados federais e 20 deputados do Parlamento Centro-americano.

bm/lda/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos