Mercado abrirá em 4 mins
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,06
    -0,89 (-1,20%)
     
  • OURO

    1.813,00
    -4,20 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    39.358,59
    -2.293,46 (-5,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    960,82
    +10,92 (+1,15%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.067,90
    +35,60 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.022,50
    +66,75 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1013
    -0,0867 (-1,40%)
     

Dança de salão retoma fôlego na Ásia após interrupção por Covid

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Quando uma escola de dança em Hong Kong se tornou o centro de um surto de Covid-19 no ano passado, foi um golpe para uma indústria que se tornou uma das mais atingidas pela pandemia. Mas os participantes dizem que os estúdios de danças de salão e ritmos latino-americanos estão se recuperando mais fortes do que nunca.

“Pessoas em todos os lugares querem socializar novamente e dançar traz esse retorno com força total”, disse Wayne Smith, vice-presidente executivo da Arthur Murray International, que opera a maior rede de franquias de dança do mundo.

Antes da Covid, o negócio global de bilhões de dólares estava crescendo, especialmente na Ásia. Mas com a salsa sucumbindo ao distanciamento social, a maioria dos grupos de dança foi forçada a ir para o online, com artistas solo enviando vídeos para competições virtuais. No topo do negócio, onde entusiastas ricos competem por instrutores campeões, o dinheiro compra sessões particulares em casa.

Em novembro, quando Hong Kong parecia ter vencido o vírus, um surto de novos casos surgiu repentinamente no Heavenly Dance Studio e em outros clubes onde mulheres ricas pagavam até HK$ 6.000 (US$ 772) por hora de aula. A notícia chamou a atenção para o mundo reluzente da dança profissional, onde as principais celebridades são levadas às casas dos clientes em jatos particulares e uma noite de rumba e cha-cha-cha com um instrutor campeão mundial pode custar US$ 15.000.

A lenda da dança Donnie Burns, 15 vezes campeão mundial e presidente do Conselho Mundial de Dança, que mora na Califórnia e viajou regularmente para Hong Kong por 40 anos para dar aulas e participar de eventos, disse que uma vez foi de jato particular para dançar com um cliente cuja casa “era como o Ritz Carlton“, com “um adequado salão de baile com varanda”.

Reservas para bailes de salão

Normalmente, durante a temporada de férias, todos os grandes salões de dança da cidade são reservados com meses de antecedência, com um depósito não reembolsável. “A cobrança mínima para o grande salão de baile é de cerca de HK$ 500.000 a HK$ 600.000 por noite”, disse Jeffrey Cheung, ex-diretor de eventos de um hotel cinco estrelas.

A disseminação do vírus em mais de uma dúzia de escolas, à medida que dançarinos infectados visitaram diferentes locais, gerou preocupações de que a indústria pudesse levar anos para se recuperar. O Heavenly Dance Studio disse em abril que fecharia permanentemente por causa da pandemia.

Mas as matrículas em todo o mundo em países que estão se abrindo novamente adicionam evidências a uma expectativa crescente de que os consumidores acumularam economias durante a pandemia e estão ansiosos para gastar novamente em atividades sociais, especialmente aquelas que melhoram o físico.

Smith disse que o Arthur Murray Studios aumentou as matrículas globais em 65% nos primeiros 6 meses deste ano. E o número de inscritos em competições cresceu quase 40%. “A pandemia trouxe um sentimento de mudança e gerou a ideia de “não vamos esperar mais”. Um dos principais impulsionadores da expansão é a Ásia, especialmente a China, que vinha se expandindo rapidamente antes da Covid.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos