Mercado abrirá em 8 h 33 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,90
    +0,41 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.779,60
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    50.861,31
    +1.687,05 (+3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.314,41
    +54,25 (+4,30%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.672,56
    +323,18 (+1,38%)
     
  • NIKKEI

    28.282,01
    +354,64 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    15.850,25
    +7,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4276
    +0,0040 (+0,06%)
     

Daly, do Fed, diz que inflação vai moderar, incertezas exigem que esperemos

·2 min de leitura
Presidente do Federal Reserve de São Francisco, Mary Daly

SÃO FRANCISCO (Reuters) - A presidente do Federal Reserve de São Francisco, Mary Daly, disse nesta quarta-feira esperar que a inflação alta se modere assim que a Covid-19 recuar, e repetiu que seria "bastante prematuro" aumentar os juros agora ou até mesmo acelerar a redução da compra de títulos pelo Fed.

"A incerteza exige que esperemos e observemos com vigilância", disse Daly em entrevista à Bloomberg TV.

Em um aceno ao progresso econômico feito desde que as primeiras campanhas de vacinação contra a Covid-19 foram lançadas no final de 2020, o Fed começou a diminuir as compras mensais de títulos na semana passada em um processo de redução que deve durar até meados do próximo ano.

A expectativa é de que qualquer aumento na taxa de juros aconteça após a conclusão das compras de títulos, com a ligeira maioria das autoridades do Fed acreditando em setembro que isso não deveria começar antes de 2023.

Esse prazo é alvo de críticas de alguns setores por, potencialmente, colocar o banco central dos EUA atrás da curva no combate à inflação.

Os preços ao consumidor dos EUA subiram 6,2% em outubro em comparação anual, taxa mais forte em 31 anos, apontou um relatório do governo mais cedo.

É uma inflação alta e dolorosa, disse Daly, mas está sendo impulsionada por gargalos na cadeia de suprimentos e alta na demanda de consumidores por bens, que passarão conforme a pandemia se enfraquecer. Da mesma forma, a oferta de trabalho está reduzida por causa dos temores e impacto da Covid-19.

A política monetária do Fed não pode afetar as questões do lado da oferta disse Daly, e um aperto da política monetária agora poderia na verdade aumentar o custo dos investimentos e retardar o progresso na abordagem dos problemas de gargalo.

(Por Ann Saphir)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos