Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.279,92
    -1.675,88 (-3,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Dados de 40 mil brasileiros já circulam na internet após megavazamento

Felipe Ribeiro
·2 minuto de leitura

O maior vazamento de dados da história do Brasil, com 223 milhões de CPFs, 40 milhões de CNPJs e 104 milhões de registros de veículos, começa a ter seus desdobramentos. De acordo com a empresa de segurança Syhunt, o hacker que está em posse dessas informações começou a divulgá-las, expondo 39.645 brasileiros e 22.983 empresas nacionais gratuitamente na internet.

Segundo apuração do Estadão, o hacker está fazendo essa pequena divulgação como uma espécie de amostra grátis do que ele tem, uma espécie de catálogo. As pessoas físicas foram divididas em 37 categorias e as empresas em outras 17. A Syhunt estima que esse criminoso deve ter em mãos algo na casa de 1 TB de dados, sendo 650 GB de pessoas físicas, 200 GB de pessoas jurídicas e outros 23 GB referentes às informações de veículos, tudo podendo conter fotos em determinados dados.

A origem dos dados, apesar de o próprio hacker ter dito que foram obtidos da base do Serasa, ainda precisa ser checada. De acordo com a Syhunt, há indícios claros de que foi mesmo no birô de crédito que o criminoso obteve essas informações, mas não há provas.

Ainda de acordo com a reportagem, mesmo com os dados estando divididos, o hacker tem em mãos não apenas os CPFs, mas o nome completo, sexo, data de nascimento, idade atual, nome da mãe, do pai e estado civil.

A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) e o Procon-SP informaram que, mesmo sem a certeza de a origem ser o Serasa, explicações serão solicitadas junto ao órgão. Já a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados), por meio de nota, disse que está apurando o ocorrido e que irá tomar as medidas cabíveis dentro da LGPD, a Lei Geral de Proteção de Dados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: