Mercado fechado

Dólar volta a R$ 4,09 na sexta e quase apaga queda na semana

Marcelo Osakabe

Dados positivos da economia americana deram força ao dólar no exterior nesta sexta-feira contra boa parte das divisas emergentes e ligadas a commodities nesta sexta-feira. No Brasil, o movimento intensificou um ajuste que já acontecia no câmbio após a forte queda do dólar nas últimas semanas. Como resultado, o real praticamente apagou os ganhos da semana, a última de giro normal antes das festas de fim de ano.

No encerramento dos negócios, a moeda americana subia 0,77%, aos R$ 4,0935. Com isso, a queda acumulada na semana que - que viu o dólar tocar os R$ 4,03, chegou a 0,34%.

“O dólar sobe por ajuste, caiu muito nesses últimos dias, então agora está recompondo algum prêmio de risco”, diz Jefferson Lima, responsável pela mesa de câmbio e juros da CM Capital. Apesar do desempenho da semana, o recuo em dezembro ainda é de 3,45%.

Lima nota que a correção ocorreu apesar do noticiário positivo para o real hoje. Neste pregão, os juros futuros reagiram em alta após o IPCA-15. A prévia da inflação divulgada pelo IBGE para dezembro veio em 1,05%, acumulando alta de 3,91% em 2019. O número foi maior que a mediana de 0,95% das projeções coletadas pelo Valor Data, e ocorreu principalmente pelo salto dos preços da carne.

“Os dados voltaram a empinar a curva de juros, sugerindo que os investidores começam a ver maior chance de o Copom subir juros mais cedo”, diz.

Ibovespa caminha para fechar 2019 com um dos melhores rendimentos da década

Separadamente, o Banco Central informou que o déficit em conta corrente em novembro foi de US$ 2,164 bilhões, bem abaixo da projeção anterior, de US$ 5,08 bilhões. A grande diferença se dá após a correção dos dados da balança comercial, revisados pela Secex.

O dado pode ajudar a reduzir as preocupações sobre o crescimento do déficit em transações correntes. Após os números, o J.P. Morgan revisou a perspectiva para o déficit em 2019 de US$ 53 bilhões para US$ 51 bilhões, ou 2,8% do PIB. Já a expectativa para o investimento estrangeiro direto (IED) em 2020 subiu de US$ 77 bilhões para US$ 80 bilhões.