Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.214,94
    +446,88 (+2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Dólar volta a fechar acima de R$ 5,40

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

O mercado financeiro teve um dia de realização de lucros e de devolução de ganhos depois de sessões de euforia. O dólar voltou a fechar acima de R$ 5,40, e a bolsa de valores caiu pela primeira vez depois de seis altas consecutivas.

O dólar comercial encerrou a quarta-feira (11) vendido a R$ 5,417, com alta de R$ 0,023 (0,47%). A cotação teve mais um dia de volatilidade. Pouco depois da abertura dos negócios, encostou em R$ 5,46. No fim da manhã, caiu para R$ 5,37, mas voltou a superar a barreira de R$ 5,40 ao longo da tarde.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela realização de lucros, quando os investidores vendem papéis que se valorizaram nos últimos dias para embolsarem os ganhos. O índice Ibovespa, da B3, fechou esta quarta aos 104.809 pontos, com recuo de 0,25%. O indicador operou próximo da estabilidade todo o dia, alternando momentos de altas e baixas até fechar com leve queda.

Após a euforia dos últimos dias com a vitória de Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos, os mercados financeiros em todo o planeta tiveram um dia de ajustes, com parte dos ganhos acumulados nas últimas sessões revertendo-se. No Brasil, a obstrução das votações da Lei de Diretrizes Orçamentárias e do projeto do Orçamento de 2021 e a indefinição sobre a continuidade de alguma ajuda à população mais vulnerável após o fim do auxílio emergencial pressionam as negociações.

* Com informações da Reuters