Mercado fechará em 1 h 38 min

Dólar vai às mínimas do dia após Ptax e chega a operar abaixo de R$ 4,01

Victor Rezende

O exterior também contribui para a depreciação da moeda americana O dólar ampliou as perdas ante o real e foi às mínimas do dia neste início de tarde, após o fechamento da taxa Ptax de dezembro, diante de um pano de fundo mais otimista com a economia brasileira no ano que vem, com apoio de dados fiscais divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira. O exterior também contribui para a depreciação da moeda americana, que opera em queda em relação a outras divisas fortes e a algumas emergentes.

Por volta de 14h50, a moeda americana era cotada a R$ 4,0163 (-0,84%), após tocar por um breve momento o nível de R$ 4,0095, na mínima do dia. Já o contrato de dólar para fevereiro recuava 0,78%, para R$ 4,0170. No mesmo horário, o índice DXY, que mede a divisa dos Estados Unidos contra uma cesta de outras seis moedas fortes, cedia 0,31%, para 96,62 pontos.

De acordo com o BC, a taxa Ptax desta segunda-feira, a última de dezembro, fechou cotada a R$ 4,0307, queda de 0,59% em relação à taxa da última sexta-feira. Após a formação da Ptax, o dólar bateu sucessivas mínimas ante o real, voltando a operar por um breve momento abaixo do nível de R$ 4,01.

Entre os motivos, estão o otimismo com a economia brasileira no ano que vem. Pela oitava semana consecutiva, o Boletim Focus mostrou elevação na projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. Agora, a mediana das estimativas do mercado coletadas pelo BC indica expansão de 2,30% no próximo ano. Já a estimativa para o dólar no fim de 2020 caiu de R$ 4,10 para R$ 4,08.

A moeda americana em queda também influenciou o comportamento dos juros futuros, que também aceleraram as perdas. No horário acima, a taxa do DI para janeiro de 2021 caía de 4,58% no ajuste anterior para 4,55%; a do DI para janeiro de 2022 cedia de 5,32% para 5,26%; a do DI para janeiro de 2023 recuava de 5,85% para 5,80% e a do DI para janeiro de 2025 passava de 6,49% para 6,44%.

Tomohiro Ohsumi/Bloomberg