Mercado abrirá em 8 h 45 min
  • BOVESPA

    121.632,92
    -168,08 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.134,93
    -60,47 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,17
    +0,08 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.803,30
    -5,60 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    40.155,45
    +656,71 (+1,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    989,65
    +13,75 (+1,41%)
     
  • S&P500

    4.429,10
    +26,44 (+0,60%)
     
  • DOW JONES

    35.064,25
    +271,55 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.206,75
    +2,06 (+0,01%)
     
  • NIKKEI

    27.811,80
    +83,70 (+0,30%)
     
  • NASDAQ

    15.168,25
    +0,50 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2057
    -0,0025 (-0,04%)
     

Dólar tem sétima alta seguida e fecha em R$ 5,24

·2 minuto de leitura

Dividido entre o alívio no mercado externo e as tensões internas, o dólar teve a sétima alta seguida e fechou no maior valor desde meados de maio. A bolsa de valores recuperou-se da queda de ontem (6) e voltou a superar os 127 mil pontos, nesta quarta-feira (7).

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,24, com alta de R$ 0,031 (0,6%). A cotação chegou a atingir R$ 5,28 na máxima do dia, por volta das 14h30, mas desacelerou após a divulgação da ata da reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). O documento previu que o órgão manterá os estímulos à maior economia do planeta por algum tempo.

A moeda norte-americana está no valor mais alto desde 27 de maio, quando fechou em R$ 5,25. A divisa acumula alta de 5,37%, em julho.

Na bolsa de valores, o dia foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 127.019 pontos, com alta de 1,54%. O indicador operou em alta durante toda a sessão, mas acelerou os ganhos no meio da tarde, também após a divulgação da ata do Fed.

Nos últimos dias, o mercado financeiro global vinha atravessando momentos de tensão com a expectativa de que o Banco Central norte-americano removesse os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19, elevando o valor do dólar em todo o planeta. Juros mais altos em economias avançadas pressionam o mercado financeiro em países emergentes como o Brasil.

O avanço de casos de covid-19 decorrente da disseminação da variante Delta do novo coronavírus também tem provocado instabilidades no mercado global. No Brasil, a situação tem sido agravada pela tensão política interna e pelas repercussões da segunda fase da proposta de reforma tributária, enviada ao Congresso no fim de junho e que muda a tributação de investimentos e reintroduz a cobrança de Imposto de Renda sobre dividendos.

* Com informações da Reuters.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos