Mercado abrirá em 2 h 56 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,23
    +1,05 (+1,74%)
     
  • OURO

    1.742,40
    -5,20 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    63.685,91
    +1.009,08 (+1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.370,97
    +76,98 (+5,95%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.904,14
    +13,65 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.003,50
    +27,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8359
    +0,0047 (+0,07%)
     

Dólar tem primeira queda depois de quatro altas seguidas

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·2 minuto de leitura

O dólar teve a primeira queda depois de quatro sessões seguidas de alta e a bolsa de valores voltou a superar os 116 mil pontos, encerrando no nível mais alto em 40 dias. Apesar da instabilidade no mercado internacional, o mercado financeiro repercutiu as mudanças de ministérios anunciadas ontem (29) à noite.

O dólar comercial fechou esta terça-feira (30) vendido a R$ 5,762, com pequena queda de 0,08%. A divisa subiu pela manhã e caiu no início da tarde, chegando a R$ 5,72 na mínima do dia, por volta das 15h. Nas horas finais de negociação, porém, reduziu o ritmo de queda, em meio a notícias vindas do exterior.

A bolsa de valores teve a quarta sessão seguida de ganhos. O índice Ibovespa, da B3, fechou esta terça aos 116.850 pontos, com alta de 1,24%. O indicador está no nível mais alto desde 19 de fevereiro.

A ida da deputada Flávia Arruda (PL-DF) para a Secretaria de Governo representa, na avaliação dos investidores, um sinal de que as negociações para corrigir o Orçamento de 2021 podem avançar, diminuindo as pressões sobre o teto de gastos neste ano. Nos últimos dias, o dólar subiu em meio a receios de que o corte de despesas obrigatórias em troca de emendas parlamentares seja revertido por créditos extraordinários, que estão fora do teto.

As pressões internacionais, no entanto, não aliviaram o mercado financeiro. Os rendimentos dos títulos do Tesouro norte-americano de dez anos atingiram os níveis mais altos em 14 meses às vésperas de o presidente Joe Biden anunciar investimentos de US$ 3 trilhões a US$ 4 trilhões em infraestrutura. Taxas mais altas nos papéis do governo dos Estados Unidos, considerados os investimentos mais seguros do mundo, estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil, puxando para cima a cotação do dólar.

* Com informações da Reuters