Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.317,39
    -228,59 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Dólar tem vaivém após dados econômicos locais com Brasília e inflação dos EUA no radar

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar alternava altas e baixas frente ao real em meio a negociações instáveis nesta quarta-feira, com investidores digerindo dados domésticos piores do que o esperado e monitorando o clima político em Brasília na esteira de ataques aos Três Poderes no fim de semana.

No exterior, o foco estava em leitura de inflação norte-americana que será divulgada na quinta.

Às 10:28 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,08%, a 5,1975 reais na venda. A moeda mostrou alguma instabilidade nos primeiros negócios, oscilando entre 5,1877 reais e 5,2350 reais.

Na B3, às 10:28 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,09%, a 5,2185 reais.

"Temos um cenário um pouquinho mais estressado aqui no Brasil, não muita coisa, mas repercutindo ainda os noticiários domésticos que a gente teve da invasão dos Três Poderes, dados de inflação que vieram não tão não tão bons e, hoje, as vendas de varejo, que vieram piores do que o esperado", disse Marco Noernberg, líder de renda variável da Manchester Investimentos.

Dados da véspera divulgados pelo IBGE mostraram que a inflação ao consumidor do Brasil fechou 2022 com alta acumulada de 5,79% e superou o teto da meta pelo segundo ano seguido, com um resultado acima do esperado.

Embora não tenha tido muito efeito sobre a oscilação do câmbio na véspera, quando o foco estava sobre as reações institucionais aos ataques bolsonaristas em Brasília de domingo, a leitura do IPCA de 2022 mais alta do que o esperado levanta temores sobre como ficará o quadro inflacionário do Brasil neste ano, em meio à perspectiva de flexibilização fiscal sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Já nesta quarta-feira, o IBGE informou que as vendas varejistas interromperam três mês de ganhos e registraram queda em novembro diante da pressão da inflação sobre os preços dos combustíveis e sem impulso da Black Friday.

Apesar do vaivém desta sessão, vários investidores têm notado um desempenho melhor do que o esperado do real neste início de ano, mesmo depois das invasões de domingo. Até agora em janeiro, o dólar acumula queda de 1,5% frente à divisa brasileira.

Italo Abucater, chefe de câmbio na Tullett Prebon Brasil, disse que o fluxo estrangeiro vem ajudando a moeda local nos últimos dois dias e que a tendência é esse movimento continuar.

"Expectativa de bastante investimento estrangeiro no radar. Emergentes em geral captam recursos no primeiro trimestre. O mundo vivendo um cenário inflacionário... nesse nível de juros local, se torna natural essa procura", disse ele.

A taxa Selic está atualmente em 13,75%, patamar elevado que torna o real atraente para estratégias de "carry trade", que consistem na tomada de empréstimo em país de juro baixo e aplicação desses recursos em mercado mais rentável.

"Para o nosso momento político atual será fundamental pra trazer uma certa segurança e tranquilidade para o investidor local", completou Abucater.

Na esteira dos ataques bolsonaristas em Brasília, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes decretou a prisão preventiva do ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro e ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, por "omissão e conivência", evidenciando a resposta firme das autoridades às ameaças à democracia.

Enquanto isso, no exterior, o índice do dólar contra uma cesta de moedas operava próximo da estabilidade, com investidores à espera da divulgação, na quinta-feira, de dados de inflação norte-americanos. A expectativa no mercado é de que os números mostrarão desaceleração no aumento dos preços, o que alimentaria apostas num abrandamento do ciclo de aperto monetário do Federal Reserve.

No entanto, uma leitura acima do esperado teria o efeito oposto e provavelmente impulsionaria a divisa dos Estados Unidos contra a maioria de seus pares, uma vez que custos de empréstimo mais altos por lá costumam atrair recursos para a maior economia do mundo.

Na última sessão, a moeda norte-americana à vista fechou em queda de 1,09%, a 5,2019 reais, menor patamar para encerramento desde 23 de dezembro passado (5,1655 reais).

(Edição de André Romani)