Mercado fechará em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    130.675,70
    +1.234,67 (+0,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.218,84
    -67,62 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,46
    +0,55 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.865,80
    -13,80 (-0,73%)
     
  • BTC-USD

    40.539,61
    +3.773,52 (+10,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.013,22
    +44,37 (+4,58%)
     
  • S&P500

    4.238,60
    -8,84 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    34.267,41
    -212,19 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.054,00
    +59,75 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1358
    -0,0568 (-0,92%)
     

Dólar tem pouca movimentação ante real monitorando exterior e CPI da Covid

·2 minuto de leitura
Dólar tem pouca movimentação ante real monitorando exterior e CPI da Covid

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar trabalhava com pouca alteração em relação ao real nesta terça-feira, com a fraqueza global da moeda em meio a apostas de manutenção de juros nos Estados Unidos sendo compensada pela cautela dos investidores domésticos em dia de mais depoimentos à CPI da Covid-19 no Senado .

Às 10:18, o dólar recuava 0,08%, a 5,2625 reais na venda, enquanto o dólar futuro negociado na B3 tinha queda de 0,29%, a 5,2685 reais.

Nos primeiros minutos de pregão, a moeda norte-americana chegou a cair quase 0,5%, a 5,2415 reais na venda, em linha com as perdas apresentadas pelo dólar contra uma cesta de rivais fortes e contra alguns dos principais pares emergentes do real, como peso mexicano, peso mexicano e rand sul-africano.

Vários analistas chamavam a atenção para um movimento global de apetite por risco em meio ao otimismo sobre a reabertura das principais economias, destacando também comentários recentes de autoridades do Federal Reserve sinalizando que o banco central norte-americano não endurecerá sua política monetária tão cedo.

"Os investidores seguem divididos entre o receio com a inflação e alguns polos de contaminação por Covid-19 na Ásia e o otimismo com o impulso econômico trazido pela reabertura do comércio nas principais economias do mundo. Hoje, o otimismo impera (...)", disse em nota matinal Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

No Brasil, todos os olhares se voltavam para Brasília em dia de depoimento do ex-chanceler Ernesto Araújo na CPI da Covid, com a investigação em busca de respostas e explicações sobre a condução da diplomacia brasileira durante a crise sanitária.

A CPI tem sido apontada por participantes do mercado como grande fonte de ruídos políticos à medida que a postura do governo de Jair Bolsonaro diante da pandemia é analisada. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou na véspera que, a partir dos depoimentos e informações já colhidos pela comissão, é possível afirmar que o governo se equivocou no combate à doença no país e que o Bolsonaro foi mal orientado.

Entre os fatores de atenção do mercado local, Ricardo França, analista da Ágora Investimentos, também chamou a atenção em um morning call para os desdobramentos em torno da medida provisória de privatização da Eletrobras na Câmara.

A consolidação da agenda de privatizações brasileiras é vista pelos mercados financeiros como essencial para a entrada de investidores estrangeiros no país, o que poderia beneficiar o real em relação ao dólar.

O dólar spot teve na véspera variação negativa de 0,09%, a 5,2665 reais na venda.

Nesta sessão, o Banco Central fará leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em novembro de 2021 e março de 2022.