Mercado fechará em 12 mins
  • BOVESPA

    98.794,69
    -826,89 (-0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.667,75
    -393,86 (-0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    105,98
    -3,80 (-3,46%)
     
  • OURO

    1.808,70
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    18.922,35
    -1.188,57 (-5,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,97
    -25,49 (-5,91%)
     
  • S&P500

    3.793,77
    -25,06 (-0,66%)
     
  • DOW JONES

    30.835,34
    -193,97 (-0,63%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.599,25
    -91,75 (-0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4776
    +0,0670 (+1,24%)
     

Dólar caminha para 3ª queda semanal consecutiva com arrefecimento da moeda no exterior

Notas de dólar

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar passou a cair em meio a negociações instáveis na manhã desta sexta-feira, a caminho de registrar sua terceira queda semanal consecutiva, em linha com o recente enfraquecimento da divisa norte-americana no exterior em meio à redução de apostas num aumento muito agressivo nos juros pelo Federal Reserve.

Às 11:48 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,53%, a 4,7366 reais na venda, rondando as mínimas do dia, depois de trocar de sinal várias vezes ao longo da manhã. Na máxima da sessão, o dólar foi a 4,7823 reais (+0,42%).

A moeda mostrou alguma instabilidade a partir das 9h30 (horário de Brasília), conforme investidores digeriam dados de inflação norte-americanos amplamente em linha com o esperado. O índice de preços PCE --medida preferida pelo Fed-- subiu 0,2% no mês passado, depois de ter disparado 0,9% em março.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o PCE subiu 0,3%, avançando pela mesma margem por três meses consecutivos. O chamado núcleo do PCE aumentou 4,9% em abril na comparação anual, depois de ter subido 5,2% em março --seu segundo mês consecutivo de desaceleração.

Investidores também repercutiam dados melhores que o esperado sobre os gastos do consumidor dos EUA, citados por alguns participantes do mercado como fator de redução --ainda que momentânea-- de temores de desaceleração econômica.

No acumulado da semana, que deve ser sua terceira seguida no vermelho, a moeda norte-americana à vista cai cerca de 2,7% frente ao real, em linha com uma intensa desvalorização do índice do dólar contra uma cesta de rivais fortes no mesmo período.

O índice --que rondava a marca de 101,6 nesta sexta-- pode registrar sua maior baixa semanal desde o início de fevereiro e já cede mais de 3% em relação a um pico em duas décadas acima de 105 atingido em meados deste mês.

A visão predominante nos mercados é de que o dólar tem perdido força porque riscos de uma recessão econômica nos Estados Unidos --aumentados após dados da véspera mostrarem contração maior que a esperada no PIB do país no primeiro trimestre deste ano-- podem levar o banco central norte-americano a evitar movimentos muito agressivos nos juros.

"Começa a se consolidar nos EUA a visão de que a postura do Federal Reserve deverá ser mais branda do que o mercado esperava, pelo risco de uma recessão", escreveram analistas da Levante Investimentos. "Apesar de os aumentos dos juros no curto prazo estarem praticamente definidos, a trajetória mais longa poderia sofrer alterações."

As indicações mais recentes do Fed são de que a autoridade monetária adotará ajustes de 0,50 ponto percentual nos custos dos empréstimos em cada uma de suas próximas duas reuniões e depois poderá fazer uma pausa para avaliar os efeitos do aperto na economia.

Isso desenha um cenário bem menos "hawkish", ou duro no combate à alta dos preços, do que alguns operadores temiam. Apenas algumas semanas atrás, havia apostas nos mercados de que o Fed poderia ser forçado a promover aumento de 0,75 ponto percentual nos juros, diante da inflação mais pressionada em quatro décadas nos EUA.

Desde março deste ano, o Federal Reserve já aumentou sua taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual.

Taxas de empréstimo mais altas na maior economia do mundo tendem a beneficiar o dólar, uma vez que atraem recursos para o mercado de renda fixa norte-americano, de forma que a redução de apostas em elevações mais agressivas nos juros explica o recente arrefecimento da divisa dos EUA.

No entanto, estrategistas do Citi alertaram que receios sobre o desempenho econômico do país podem, eventualmente, trabalhar a favor do dólar.

"Os temores de recessão nos EUA estão aumentando. Normalmente, as recessões dos EUA levam a um câmbio de mercados emergentes mais fraco, embora às vezes a força do dólar só comece quando a recessão estiver muito próxima ou até mais tarde", disseram especialistas em relatório desta sexta-feira.

Na B3, às 11:48 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,65%, a 4,7375 reais.

Na véspera, a moeda norte-americana spot caiu 1,23%, a 4,7619 reais na venda, valor mais baixo desde 20 de abril (4,6186 reais).

(Edição de José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos