Mercado abrirá em 2 h 20 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    -0,32 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.783,50
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    49.094,15
    -1.193,61 (-2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.282,47
    -22,65 (-1,74%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.336,37
    -0,68 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    24.254,86
    +257,99 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.358,00
    -34,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2698
    -0,0043 (-0,07%)
     

Dólar cai à casa dos R$5,43 após dados de inflação e aprovação da PEC dos Precatórios na Câmara

·3 min de leitura
Maço de notas de 5 dólares

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar aprofundou as perdas nesta quarta-feira, chegando a entrar na casa dos 5,43 reais nas mínimas do dia, deixando o real com o melhor desempenho do dia entre as principais moedas globais após dados de inflação domésticos mais fortes do que o esperado elevarem as expectativas de aceleração do ritmo de aperto monetário do Banco Central.

Às 11:34, o dólar recuava 0,75%, a 5,4500 reais na venda, após chegar a tocar 5,4362 reais na mínima do dia, queda de 1%. O dólar futuro de maior liquidez caía 0,64%, a 5,464 reais.

Depois de operar perto da estabilidade nos primeiros minutos de negociação, a moeda norte-americana começou a acelerar sua desvalorização pouco antes das 10h (horário de Brasília). Mais cedo, o IBGE havia informado que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,25% em outubro, após alta de 1,16% no mês anterior, alcançando a maior variação para o mês desde 2002 (1,31%).

Em 12 meses, a alta foi a 10,67%, de 10,25% em setembro, resultado mais forte desde janeiro de 2016 (+10,71%). A leitura veio acima da expectativa de economistas consultados pela Reuters, que esperavam avanço de 1,05% na base mensal e de 10,45% em 12 meses.

Com a leitura "significativamente mais alta do que o esperado" para outubro, o Goldman Sachs afirmou em relatório desta quarta-feira que espera que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC promova elevação de pelo menos 150 pontos-base da taxa Selic em seu próximo encontro, apontando probabilidade de 20% de aumento ainda mais intenso.

Atualmente, os juros básicos estão em 7,75% ao ano. Custos mais altos dos empréstimos no Brasil tendem a favorecer o real, uma vez que tornam os retornos do mercado de renda fixa doméstico mais atraentes para investidores estrangeiros.

Neste pregão, investidores também repercutiam a notícia de que a Câmara dos Deputados aprovou a PEC dos Precatórios em segundo turno. A medida é prioritária para o governo, por abrir espaço fiscal para viabilizar o pagamento do novo programa social Auxílio Brasil. Agora, a PEC deve ir ao Senado, onde precisa ser aprovada por 49 dos 81 senadores em dois turnos de votação para entrar em vigor.

Há entre alguns participantes do mercado financeiro a percepção de que o governo vai, de qualquer maneira, fornecer auxílio à população no valor mínimo de 400 reais por família em 2022, ano eleitoral.

Em meio a receios de que a administração do presidente Jair Bolsonaro pudesse adotar medidas muito drásticas para permitir esses pagamentos, como declarar estado de calamidade, a PEC dos Precatórios é vista como a melhor alternativa disponível no momento, embora altere regras do teto de gastos do país -- considerado importante âncora fiscal.

Nos Estados Unidos, dados desta manhã mostraram que o índice de preços ao consumidor subiu 0,9% no mês passado, após alta de 0,4% em setembro, segundo o Departamento do Trabalho. Nos 12 meses até outubro, o índice aumentou 6,2%, o maior avanço anual desde novembro de 1990, após salto de 5,4% em setembro.

O dólar ganhou força globalmente na esteira dos números. No mercado de câmbio doméstico, a moeda norte-americana até chegou a recuperar algum terreno frente ao real imediatamente após a divulgação, mas os fatores domésticos favoráveis à divisa brasileira pareciam prevalecer.

Arthur Lula Mota, da equipe de estratégia e macro do BTG Pactual, disse em post no Twitter que os dados de inflação dos EUA desta quarta-feira podem elevar a pressão sobre o Federal Reserve em relação a sua conduta de política monetária, com os mercados elevando as apostas em aumentos dos juros mais cedo do que o esperado na maior economia do mundo.

Na véspera, a moeda norte-americana à vista caiu 0,91%, a 5,4911 reais na venda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos