Mercado fechará em 50 mins
  • BOVESPA

    101.917,77
    +1.365,34 (+1,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.544,70
    -124,55 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,60
    +0,57 (+1,42%)
     
  • OURO

    1.906,30
    -23,20 (-1,20%)
     
  • BTC-USD

    13.056,33
    +1.999,32 (+18,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,54
    +7,44 (+2,90%)
     
  • S&P500

    3.451,88
    +16,32 (+0,48%)
     
  • DOW JONES

    28.356,78
    +145,96 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.659,00
    -32,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5966
    -0,0534 (-0,80%)
     

Real lidera alta global na sessão, mas cenário segue incerto

Por José de Castro
·3 minutos de leitura
.
.

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar sofreu a maior queda diária em cinco semanas nesta segunda-feira, com o real liderando os ganhos entre as principais divisas globais, conforme operadores ajustaram posições no câmbio depois da pressão recente, num dia positivo para outros mercados brasileiros.

O otimismo externo respaldou o alívio na cotação, com investidores repercutindo maior expectativa de acordo sobre novo pacote fiscal nos Estados Unidos, tendo de pano de fundo melhora da saúde do presidente norte-americano, Donald Trump (que se recupera da Covid-19) e tentativas de acordo sobre o financiamento do Renda Cidadã no Brasil.

O dólar à vista caiu 1,75%, a 5,5678 reais na venda. É a maior baixa percentual diária desde 28 de agosto (-2,93%).

Na B3, o dólar futuro cedia 2,14%, a 5,5715 reais, às 17h09.

"O mercado está respirando um pouco, curva longa (de juros) recuou, as (taxas) curtas seguem em linha com o fechamento. O dólar está testando nível muito importante no (mercado) futuro", disse Sérgio Machado, gestor na TRÓPICO Latin America Investments.

Os juros futuros <0#DIJ:> --que vinham sob intensa pressão nos últimos dias-- chegaram ao fim do dia em forte queda de quase 20 pontos-base. E o principal índice das ações brasileiras subiu 2,26%, segundo dados preliminares.

O real encabeçou os ganhos entre moedas de risco, mas era seguido por coroa norueguesa (+1,3%), peso colombiano (+1,1%) e peso mexicano (+1%), entre outras divisas. O índice do dólar frente a uma cesta de moedas fortes recuava 0,35% no fim da tarde.

A combinação entre apetite externo por risco e certo "atraso" do real em relação a seus pares patrocinou a recuperação mais forte do câmbio doméstico, que vem de quatro semanas consecutivas de perdas, quando acumulou queda de 6,33% (dólar subiu 6,76%).

Sinais de alguma tentativa de conciliação em Brasília nas discussões sobre o financiamento do Renda Cidadã também agradaram.

O senador Marcio Bittar (MDB-AC) afirmou nesta segunda-feira que a ideia do governo é apresentar na quarta-feira pela manhã a solução para o financiamento ao Renda Cidadã, novo programa de transferência de renda que virá no lugar do Bolsa Família. Ele acrescentou que a proposta respeitará o teto de gastos.

A declaração veio depois de aumento de tensão na sexta-feira por conflitos internos no governo Jair Bolsonaro --sobretudo entre os ministros da Economia (Paulo Guedes) e do Desenvolvimento Regional (Rogério Marinho).

Os constantes ruídos de ordem fiscal, contudo, ainda jogam contra o câmbio mais à frente.

"Acreditamos que a pressão para o apoio contínuo à economia e para um novo programa social permanecerá em vigor", disseram analistas do Barclays em nota a clientes. "As incertezas sobre as perspectivas fiscais devem manter a volatilidade elevada e impor ao real desempenho inferior em relação aos pares", completaram.

O real já é a divisa relevante mais volátil do mundo. A volatilidade implícita nas opções de dólar/real de três meses, por exemplo, está em 20,3%, ante 17,5% da lira turca, a segunda colocada.

Em 2020, o real perde 27,93% de seu valor nominal ante o dólar, a maior queda entre rivais emergentes. As moedas de Turquia e Argentina --países com alta inflação e escassez de reservas cambiais-- vêm em seguida, com baixas de 23,4% e 22,2%, respectivamente. O peso mexicano recua bem menos: 11,5%.