Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.397,30
    -3.434,59 (-5,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Dólar tem maior queda diária em dois meses e fecha a R$ 5,52

·2 min de leitura

Ajudado pelo clima no exterior, o dólar teve a maior queda diária em dois meses e voltou a ficar próximo de R$ 5,50. A bolsa de valores recuperou-se das perdas dos últimos dias e teve a primeira alta semanal, após duas semanas seguidas de queda.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (5) vendido a R$ 5,523, com recuo de R$ 0,083 (-1,49%). Na mínima do dia, por volta das 15h30, a cotação chegou a cair para R$ 5,50. Essa foi a maior queda para um dia desde 9 de setembro, quando a moeda norte-americana tinha caído 1,8%.

Com o desempenho de hoje, a divisa encerrou a semana, que foi mais curta por causa do feriado de Dia de Finados, com queda de 2,12%. Em 2021, o dólar acumula alta de 6,44%.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 104.824 pontos, com alta de 1,37%. Apesar de ontem (4), o indicador ter atingido o menor nível em quase um ano, a valorização de hoje foi suficiente para fazer o índice encerrar a semana com alta de 1,28%, interrompendo duas semanas consecutivas de perdas. Mesmo com a alta desta semana, o Ibovespa acumula perda de 11,93% desde o início do ano.

Dois fatores aumentaram o otimismo no mercado internacional nesta sexta-feira. O primeiro foi a forte criação de empregos nos Estados Unidos em outubro. Segundo os investidores, o indicador veio acima das expectativas, mas não alto o suficiente para pressionar o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) a antecipar a alta de juros da maior economia do planeta.

O segundo fator que ajudou o mercado global foi a divulgação de que uma pílula desenvolvida pela Pfizer reduziu em 89% o risco de hospitalização ou de morte em pacientes adultos com comorbidade para a covid-19. No Brasil, o leilão da frequência 5G e a divulgação de balanços de empresas com crescimento no lucro impulsionaram a bolsa local.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos