Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.790,10
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    37.703,88
    +1.114,72 (+3,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Dólar tem maior alta em dois meses e fecha a R$ 5,66

·1 min de leitura

O ano começou com pessimismo no mercado financeiro. Pressionado por fatores domésticos e externos, o dólar teve a maior alta diária em dois meses. A bolsa de valores caiu, mesmo com a alta nos mercados internacionais.

O dólar comercial encerrou a segunda-feira (3) vendido a R$ 5,663, com alta de R$ 0,087 (+1,56%). Em termos percentuais, esta foi a maior valorização para um dia desde 21 de outubro, quando a cotação tinha subido 1,9%, em meio ao anúncio da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios.

O pessimismo também se refletiu no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 103.922 pontos, com recuo de 0,86%. O indicador chegou a operar em alta durante a manhã, mas não firmou a tendência, na contramão das bolsas norte-americanas, que subiram nesta segunda-feira.

No exterior, o dólar teve um dia de alta global, com a perspectiva de aumento de juros nos Estados Unidos. Na reunião mais recente, o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) informou que pretende aumentar os juros básicos da maior economia do planeta pelo menos três vezes em 2022. Taxas mais altas estimulam a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil.

No mercado doméstico, as expectativas com o aumento de gastos públicos continuaram a influenciar as negociações. A sanção da lei que prorroga até o fim de 2023 a desoneração da folha de pagamento para diversos setores da economia sem especificar a fonte de receitas (ou de corte de gastos) para essas medidas foi mal recebida pelos investidores, assim como a ameaça de greve de diversas categorias do serviço público que pressionam por aumentos salariais.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos