Mercado abrirá em 6 h 30 min

Dólar tem maior alta ante real em um mês e meio com exterior

Por José de Castro
.

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar teve nesta sexta-feira a maior alta em seis semanas, fechando na casa de 4,09 reais, com operadores replicando os ganhos da moeda no exterior em dia de dados positivos nos Estados Unidos.

A divisa negociada no mercado à vista <BRBY> ganhou 0,79%, a 4,0949 reais na venda.

É o maior patamar desde o último dia 13 (4,1086 reais na venda) e a mais forte alta percentual diária desde 8 de novembro (+1,83%).

Na semana, o dólar caiu 0,3%, a terceira semana consecutiva de baixa, o que não era visto desde junho.

Na B3, o dólar futuro <DOLc1> se apreciava 0,68%, a 4,0985 reais, enquanto no exterior o índice do dólar contra uma cesta de moedas <.DXY> subia 0,32%, para máximas em cerca de duas semanas.

Numa postura mais defensiva, o mercado acelerou as compras de dólares na parte da tarde, quando a liquidez tradicionalmente se reduz, movimento ainda mais claro nesta sessão por ser a sexta-feira que antecede o Natal.

Tampouco ajudou informação de que a avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro e a desaprovação à sua maneira de governar aumentaram, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira.

A força do dólar nesta sessão foi respaldada por dados firmes nos Estados Unidos, que corroboraram cenário de que a maior economia do mundo segue mais atrativa para investimentos em relação a outras --o que por tabela reduz o apelo para fluxo de capital à classe de emergentes, mais arriscada.

De toda forma, a expectativa é que o dólar mantenha algum viés de baixa no Brasil, depois de em novembro ter se aproximado de 4,30 reais.

O Bulltick Capital Markets, banco de investimento especializado em América Latina, calcula que o valor "justo" para o dólar está atualmente em 3,80 reais. A favor da moeda doméstica, estrategistas do banco citam uma "potente" combinação de inflação baixa e juro na mínima histórica, com uma "economia em crescimento".