Mercado fechará em 2 h 28 min
  • BOVESPA

    103.492,14
    +1.576,69 (+1,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.589,04
    +890,32 (+1,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,56
    +2,38 (+3,60%)
     
  • OURO

    1.787,00
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    58.855,20
    +1.513,65 (+2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.499,20
    +30,12 (+2,05%)
     
  • S&P500

    4.646,74
    +79,74 (+1,75%)
     
  • DOW JONES

    34.951,68
    +467,96 (+1,36%)
     
  • FTSE

    7.174,68
    +115,23 (+1,63%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.411,00
    +260,50 (+1,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3744
    +0,0044 (+0,07%)
     

Dólar tem leve alta ante real com mercado de olho em incertezas fiscais

·2 min de leitura
Nota de 1 dólar

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar tinha leve alta em relação ao real nesta quinta-feira, ampliando seus ganhos para uma quarta sessão consecutiva, à medida que participantes do mercado avaliavam as perspectivas fiscais do Brasil em meio à tramitação da PEC dos Precatórios no Congresso.

O mercado passou a considerar que a PEC seria a opção viável para o governo fornecer auxílio à população de pelo menos 400 reais por família no ano que vem sem levar a descontrole das contas públicas, embora continue sendo vista como prejudicial à credibilidade fiscal do Brasil, por alterar regras do teto de gastos.

Mas temores de adoção de "planos B" pelo governo para financiar mais gastos persistem, enquanto um texto alternativo apresentado à PEC na quarta-feira por três senadores -- prevendo o pagamento dessas dívidas da União fora do teto dos gastos públicos -- desagradou investidores.

"Isso indicaria que o país não tem liquidez para honrar suas obrigações", disse à Reuters Lucas Schroeder, diretor de operações da Câmbio Curitiba, citando preocupações do mercado com a trajetória da dívida pública no longo prazo.

Além disso, "a imprevisibilidade pesa no mercado", afirmou o especialista, uma vez que não há perspectivas claras sobre qual versão do texto da PEC será aprovada pelo Congresso.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou a proposta dos senadores de tirar o pagamento de precatórios do teto de gastos, ressaltando que, num cenário em que a PEC não seja aprovada no Senado com o formato já chancelado pelos deputados, aí sim ele se preocupará com a economia em 2022.

Às 10:07, o dólar avançava 0,25%, a 5,5400 reais na venda. Na B3, o dólar futuro tinha ganho de 0,17%, a 5,5495 reais.

Segundo Schroeder, a moeda norte-americana também era apoiada por perspectivas crescentes de aperto monetário mais cedo do que o esperado nos Estados Unidos, conforme evidências de persistência da inflação e progresso na recuperação econômica aumentam a pressão sobre as autoridades do Federal Reserve, banco central do país, para que aumentem os custos dos empréstimos já em 2022.

No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de moedas tinha queda de 0,16% nesta quinta-feira, mas continuava em patamares elevados depois de alcançar máximas em 16 meses recentemente.

Com a perspectiva de uma política monetária mais restritiva na maior economia do mundo no ano que vem somando-se ao cenário doméstico desencorajador, Schroeder disse estar pessimista em relação ao desempenho do real no médio prazo.

Para o final de 2022, quando o Brasil verá eleições presidenciais possivelmente polarizadas, a projeção é de que o dólar fique em 5,90 reais, disse ele.

No fechamento da véspera, o dólar registrou alta de 0,48%, a 5,5264 reais na venda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos