Mercado fechará em 5 h 38 min
  • BOVESPA

    109.914,15
    -37,34 (-0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,98
    -0,49 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.894,20
    +3,50 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    22.732,63
    -391,07 (-1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,93
    -12,97 (-2,41%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.944,75
    +59,58 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.680,50
    +135,25 (+1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6087
    +0,0413 (+0,74%)
     

Dólar tem leve queda antes de anúncio de medidas econômicas por Haddad e inflação dos EUA

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mão segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mão segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar caía ligeiramente frente ao real nos primeiros negócios desta quinta-feira (12), com investidores trabalhando em modo de espera antes do anúncio de medidas econômicas pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e de dados de inflação dos Estados Unidos.

Às 9h15 (horário de Brasília), o dólar à vista recuava 0,27%, a R$ 5,1674 na venda.

Nesta quarta-feira (11), a Bolsa teve sua sexta alta diária seguida e o dólar fechou em queda, com investidores dando maior atenção ao noticiário econômico, após a divulgação do secretariado do Ministério do Planejamento e as declarações da ministra Simone Tebet.

No exterior, as bolsas também subiram com os investidores otimistas com os dados da inflação ao consumidor nos Estados Unidos. O mercado espera uma desaceleração do indicador, o que poderia levar o Federal Reserve, banco central norte-americano, a diminuir o ritmo de alta dos juros.

O Ibovespa fechou em alta de 1,53% a 112.517 pontos. Nos últimos seis pregões, a Bolsa acumula alta de 8%. O dólar comercial à vista fechou com queda de 0,40%, a R$ 5,1810 para venda.

Desde o dia 4 de janeiro, quando atingiu o pico de R$ 5,45 no ano, o dólar acumula desvalorização de 5% ante o real.

Os juros recuaram em todos os vencimentos. Os contratos para 2024 caíram de 13,59% no fechamento desta terça-feira (10) para 13,52%. Para 2025, a taxa passou de 12,69% para 12,53%. Para 2027, o recuo foi de 12,50% para 12,26%.

A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet (MDB), anunciou nesta quarta-feira (11) a composição de sua equipe de secretários ressaltando "as linhas de pensamento econômico diferentes" e pregando harmonia com os ministros da Gestão, Esther Dweck, e da Fazenda, Fernando Haddad.

Sobre o ministro da Fazenda, reportagem da Folha revela que a proposta de arcabouço fiscal da equipe econômica de transição, que reuniu André Lara Resende, Guilherme Mello, Nelson Barbosa e Persio Arida, envolve a substituição do teto de gastos por uma meta de despesas.

A cotação do petróleo também ajudou a Bolsa, impulsionando principalmente as empresas do setor. Às 18h26 (horário de Brasília), o barril do tipo Brent subia 3,48%, a US$ 82,89.

As ações ordinárias da 3R Petroleum e da PRIO, antiga PetroRio, ficaram com as maiores altas do Ibovespa, com 13,64% e 7,76%, respectivamente. Nesta quarta, a 3R divulgou que em dezembro, sua produção quase dobrou em relação a novembro.

Os papéis da Petrobras subiram menos, mais impactadas pela cautela com o cenário político. As preferenciais fecharam em alta de 0,79%, e as ordinárias avançaram 1,28%.

No exterior, os principais índices de ações nos Estados Unidos também encerraram o dia em em alta. Além do otimismo com a inflação no país, o otimismo em relação à retomada econômica na China também ajudou o mercado.

O índice Dow Jones teve alta de 0,80%, enquanto o S&P 500 subiu 1,28%. O Nasdaq 100 fechou com avanço de 1,76%.

Apesar da atenção dada ao noticiário econômico, o mercado mantém no radar o ambiente político, com ameaças de novas invasões e bloqueios por parte de militantes bolsonaristas. O governo anunciou medidas de prevenção para evitar nova invasão nas sedes dos Três Poderes.

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta quarta que as autoridades públicas impeçam quaisquer tentativas de ocupação ou bloqueio de vias públicas, rodovias, espaços e prédios públicos por manifestantes golpistas apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, prorrogou por mais dez dias o uso da Força Nacional da região da Esplanada dos Ministérios e da Praça dos Três Poderes, palco de atos de vandalismo no último domingo (8).