Mercado abrirá em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,75
    +0,48 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.869,80
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    45.137,61
    -221,04 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.254,73
    +56,81 (+4,74%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.062,80
    +29,95 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.406,00
    +102,50 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Dólar tem pouca alteração ante real com mercados monitorando clima doméstico e dados dos EUA

Luana Maria Benedito
·2 minuto de leitura
Dólar tem leve queda ante real com mercados monitorando clima doméstico e dados dos EUA

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar oscilava entre estabilidade e leve queda contra o real nesta segunda-feira, depois de fechar o mês de abril com fortes perdas em meio a sinais de alívio no sentimento dos investidores domésticos, com os participantes do mercado se preparando para uma semana que contará com dados econômicos importantes dos Estados Unidos.

Às 10:19, o dólar avançava 0,02%, a 5,4328 reais na venda, enquanto o principal contrato de dólar futuro caía 0,08%, a 5,4465 reais.

Vários investidores chamavam a atenção para o cenário externo, em semana de divulgação de números sobre a indústria e o mercado de trabalho dos EUA, depois que dados recentes já apontaram para uma forte recuperação econômica no país.

"Indicadores de consumo e inflação (norte-americanos) começam a refletir os efeitos dos estímulos fiscais adicionais lançados recentemente", explicaram em nota analistas do Bradesco, destacando que isso "não deve ser suficiente para mudar a postura acomodatícia do Federal Reserve, que pretende manter a política monetária inalterada até que a inflação se estabilize de forma sustentada um pouco acima de 2% e que o emprego retorne aos níveis observados antes da pandemia".

A perspectiva de juros baixos por mais tempo nos EUA é citada por boa parte dos especialistas como um possível fator de pressão para o dólar em relação a moedas de países emergentes, uma vez que pode levar à busca dos operadores por rendimentos mais altos em outros lugares.

Enquanto isso, no Brasil, os investidores passavam a acompanhar a agenda de reformas e privatizações domésticas depois que algum alívio na frente fiscal -- decorrente da sanção com vetos do Orçamento de 2021 -- ajudou a moeda brasileira a recuperar terreno em abril.

No último pregão, na sexta-feira, a moeda norte-americana à vista teve alta de 1,81%, a 5,4315 reais na venda. Mas, na semana, o dólar no Brasil caiu 1,19%, aprofundando as perdas em abril para 3,53%, primeira queda mensal em 2021.

"No Brasil, a despeito de todos os desafios, ainda há uma agenda positiva em andamento", disse em blog Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos.

Ele chamou atenção para a disputa pela maior parte dos ativos da companhia fluminense de saneamento Cedae, colocados em leilão na sexta-feira, que foi vencido pelas empresas de saneamento Aegea e Iguá. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o resultado do leilão é um sinal de confiança no país.

Ao mesmo tempo, o mercado deve ficar de olho no relatório final da reforma tributária, depois de o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ter afirmado que o receberia nesta segunda-feira, reiterando que a aprovação da matéria é uma prioridade da pauta da Casa.

O Banco Central anunciou para esta sessão leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em novembro de 2021 e março de 2022.