Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.328,11
    -144,47 (-0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Dólar abandona queda, passa a subir e supera R$5 com exterior; Brasília segue no radar

·2 min de leitura
Dólar tem leve queda ante real com exterior e Brasília no radar

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar teve uma arrancada a partir do meio da manhã e passou a subir nesta quinta-feira, voltando a operar acima de 5 reais depois de mais cedo recuar à casa de 4,94 reais. A cotação reagiu à tomada de fôlego da moeda no exterior, com investidores ansiosos antes da divulgação na sexta-feira de cruciais dados de emprego nos Estados Unidos.

O mercado seguia ainda atento ao noticiário político doméstico, que esquentou nesta semana com manchetes sobre supostas irregularidades em compras de vacinas pelo governo, tema que passou a ser central na CPI da Covid-19 no Senado.

"Evidentemente, os burburinhos políticos aquecidos ajudam os traders na promoção momentânea e oportuna de maior volatilidade e até apreciação do preço da moeda americana, mas ainda consideramos que este seja um fator absolutamente pontual", escreveu Sidnei Nehme, economista e diretor executivo da NGO Corretora.

Às 11h58, o dólar avançava 0,70%, a 5,0114 reais na venda, depois de oscilar entre 4,9473 reais (-0,58%) e 5,0242 reais (+0,96%).

"Esse é um movimento de acompanhamento de outras moedas (pares do real), que estão tendo um ajuste ao redor do mundo", disse à Reuters Thomás Gibertoni, analista da Portofino Multi Family Office.

Peso mexicano, rand sul-africano, peso chileno e peso colombiano caíam entre 0,3% e 1% nesta sessão.

O índice do dólar contra uma cesta de seis rivais fortes abandonou queda de mais cedo e ensaiava alta, com operadores à espera de um relatório sobre a criação de empregos fora do setor agrícola dos Estados Unidos, a ser divulgado na sexta-feira. O mercado busca de pistas sobre o futuro da política monetária do Federal Reserve.

Uma guinada surpreendentemente "hawkish" (dura com a inflação) na última reunião de política monetária do Fed tem dado suporte ao dólar no exterior recentemente, uma vez que a perspectiva de elevação de juros nos Estados Unidos tende a atrair recursos para o mercado norte-americano.

"O Brasil tem desafios e perturbações grandiosas no momento, mas, gradualmente, (...) vai voltando a sua velha tradição e pode se tornar, outra vez, o 'oásis' do capital estrangeiro especulativo, pois a elevação do juro é fator imponderável e inevitável na medida em que a inflação ganha transparência dia após dia", acrescentou Nehme.