Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.448,56
    -2.214,88 (-4,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Dólar devolve perdas em linha com exterior e incertezas domésticas

·2 minuto de leitura
Dólar tem leve alta contra real antes de dados de inflação dos EUA

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar deixou para trás nesta terça-feira as perdas registradas na esteira de dados mais fracos sobre inflação norte-americana, acompanhando piora no apetite internacional por risco, enquanto a conjuntura política doméstica mantinha o real sob pressão.

Às 11:24, o dólar avançava 0,13%, a 5,2305 reais na venda, depois de ir a 5,2533 reais na máxima do pregão.

Mais cedo, a divisa norte-americana chegou a ser negociada em território negativo. Na mínima do dia, atingida pouco depois das 9h30, o dólar caiu 0,47%, a 5,1990 reais na venda, após o Departamento do Trabalho norte-americano informar que o núcleo dos preços ao consumidor nos Estados Unidos subiu no ritmo mais lento em seis meses em agosto.

No exterior, Wall Street abriu em alta e o índice do dólar chegou a cair 0,32% na esteira dos dados --que poderiam reforçar expectativas de que o Federal Reserve terá paciência ao reduzir estímulos--, mas os principais índices norte-americanos já devolveram seus ganhos e a moeda norte-americana mostrava baixa de apenas 0,08% contra uma cesta de rivais fortes [.NPT].

Enquanto isso, o cenário doméstico segue impondo incertezas em várias frentes, segundo especialistas.

Alexandre Espirito Santo, economista-chefe da Órama Investimentos, ressaltou que "ano que vem é ano eleitoral, um especialmente complicado. O país está muito rachado, e, historicamente, em anos eleitorais, o dólar sobe".

Para o economista, um dólar entre 5,20 e 5,30 reais é "razoável" para o momento presente, mas a divisa pode buscar os 5,50 reais no ano que vem, em meio ainda a dúvidas sobre como será resolvida a conta de precatórios para 2022 e como caminhará a agenda de reformas do governo.

"A volatilidade está abrindo (aumentando), e mercado e incerteza não combinam", completou.

No radar nesta terça-feira também estava a notícia de que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o BC provavelmente terá que atuar no câmbio por causa de demanda associada ao desmonte do "overhedge" (proteção cambial adicional dos bancos) no fim do ano.

Na véspera, a moeda norte-americana negociada no mercado interbancário caiu 0,84%, a 5,2236 reais na venda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos