Mercado abrirá em 5 h 27 min
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,99
    +0,63 (+0,87%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    49.782,65
    -932,72 (-1,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.303,15
    -1,97 (-0,15%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    24.216,74
    +219,87 (+0,92%)
     
  • NIKKEI

    28.725,47
    -135,15 (-0,47%)
     
  • NASDAQ

    16.371,25
    -21,00 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2762
    +0,0021 (+0,03%)
     

Dólar caminha para alta semanal com receios globais sobre aperto monetário; fiscal doméstico segue em foco

·3 min de leitura
Notas de 100 dólares

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar oscilava entre estabilidade e leve queda ante o real nesta sexta-feira, mas caminha para registrar ganhos semanais após várias sessões de ampla força da moeda norte-americana no exterior, em meio a temores globais sobre aperto monetário nos Estados Unidos, enquanto incertezas fiscais domésticas continuavam no radar.

Às 10:20, o dólar recuava 0,07%, a 5,5660 reais na venda. O contrato mais negociado de dólar futuro, por sua vez, ganhava 0,04%, a 5,570 reais.

Em "dia sem 'driver' principal entre as notícias, o mercado está fazendo uma correção depois dos últimos pregões de alta do dólar", disse à Reuters o analista-chefe da Toro Investimentos, Rafael Panonko. A moeda norte-americana à vista fechou a quinta-feira em 5,5697 reais na venda, acumulando valorização de 3,08% nos últimos quatro pregões.

Embora recuasse ligeiramente nesta sessão, o dólar ainda ficava a caminho de avançar 2% em relação ao fechamento da última sexta-feira, de 5,4569 reais.

Esta foi uma semana difícil para moedas emergentes de todo o mundo, uma vez que expectativas crescentes de aperto monetário mais cedo do que o esperado nos Estados Unidos impulsionaram o dólar a máximas em 16 meses contra uma cesta de rivais fortes recentemente.

Sinais de recuperação da atividade econômica no país, combinados à notícia de que a inflação norte-americana subiu à maior taxa em mais de três décadas em outubro em relação ao mesmo período do ano anterior, têm elevado a pressão sobre o Federal Reserve para que aumente os juros já no ano que vem de forma a esfriar as pressões sobre os preços.

Custos de empréstimos mais altos na maior economia do mundo são amplamente vistos como benéficos para o dólar e prejudiciais para o apelo de moedas consideradas arriscadas, uma vez que elevariam a rentabilidade nos mercados dos EUA, destino visto como mais seguro para investimentos.

Além da política monetária, Panonko alertou que o noticiário em torno da propagação da Covid-19 na Europa, com alguns países impondo ou considerando a possibilidade de adotar lockdowns devido a novo surto da doença, podem elevar a cautela nos mercados internacionais no curto prazo. Isso por sua vez, possivelmente elevaria a demanda pela segurança do dólar.

No Brasil, o ambiente segue repleto de incertezas na frente fiscal, conforme investidores acompanham o andamento da PEC dos Precatórios no Congresso.

O mercado passou a considerar que a proposta -- pelo menos no formato aprovado em segundo turno pela Câmara dos Deputados neste mês -- seria, entre opções disponíveis para o governo fornecer auxílio à população de pelo menos 400 reais por família no ano que vem, a menos inclinada a descontrole total das contas públicas.

Mesmo assim, a PEC continua sendo vista como prejudicial à credibilidade fiscal do Brasil, por alterar o prazo de correção do teto de gastos pelo IPCA, abrindo espaço para o país gastar mais. "Apesar de isso não configurar tecnicamente que o teto foi 'furado', a mudança da regra no meio do caminho impacta negativamente a credibilidade do regime fiscal", explicaram em relatório analistas da Genial Investimentos.

"O teto, na nossa avaliação, é um mecanismo fundamental para dar credibilidade à dívida pública (...). A questão é: mesmo com a permanência do teto (alterado), quem garante que não será revisto novamente?"

Até agora neste ano, o dólar acumula alta de mais de 7% frente ao real.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos