Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,57
    +0,19 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.768,00
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    54.989,31
    -997,17 (-1,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.234,89
    -64,06 (-4,93%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.158,41
    -526,96 (-1,78%)
     
  • NASDAQ

    13.907,25
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6772
    +0,0015 (+0,02%)
     

Dólar tem leve alta com mudanças ministeriais sendo compensadas por Covid-19 e exterior

Luana Maria Benedito
·3 minuto de leitura
Dólar tem leve alta ante real após mudanças ministeriais

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar trabalhava entre estabilidade e leve alta frente ao real nesta terça-feira, com a percepção de clima político mais ameno em Brasília -- depois da troca de seis ministros pelo presidente Jair Bolsonaro -- sendo compensada pela disseminação da Covid-19 no país e a alta dos rendimentos dos Treasuries.

Às 10:11, o dólar avançava 0,09%, a 5,7734 reais na venda, enquanto o principal contrato de dólar futuro perdia 0,07%, a 5,779 reais.

Todos os olhares se voltavam para a política doméstica nesta manhã, depois da substituição inesperada dos titulares de seis ministérios, incluindo os principais nomes palacianos e as pastas de Justiça e Defesa, com a entrega da articulação política a uma deputada ligada ao centrão.

A decisão de Bolsonaro foi vista por parte dos mercados como possível facilitadora da interlocução entre Executivo e Legislativo, o que ajudou o dólar a fechar longe das máximas do pregão na segunda feira.

O alívio para o real continuava nesta sessão, uma vez que as mudanças ministeriais são "sinalização positiva", disse à Reuters João Vitor Freitas, analista da Toro Investimentos.

Com a expectativa de uma melhor comunicação entre o governo de Jair Bolsonaro e o Congresso, há esperanças de que o rearranjo ministerial possa significar a "correção" do Orçamento para 2021, disse Freitas, o que poderia aliviar os temores dos investidores em relação às contas públicas.

Aprovada pelo Congresso na semana passada com um atraso de três meses, a lei orçamentária para este ano foi chamada por técnicos do governo e economistas de "contabilidade criativa", com direito a reestimativa irreal de despesas, uma pedalada fiscal e parâmetros econômicos defasados, que demandariam cortes draconianos para evitar o descumprimento das regras fiscais.

Enquanto isso, contrapondo as expectativas em torno das mudanças ministeriais em Brasília, o avanço da Covid-19 no país e a alta dos rendimentos norte-americanos limitavam a recuperação do real.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o total de mortos pela doença no Brasil foi a 313.866 na segunda-feira, com o total de infecções saltando a 12.573.615. O país vive o pior momento da pandemia, o que levou à adoção de medidas mais restritivas de combate ao coronavírus em vários Estados e municípios nas últimas semanas.

Já no exterior, os rendimentos dos Treasuries de dez anos subiram para máximas em 14 meses nesta terça-feira, um dia antes de o presidente norte-americano, Joe Biden, definir como pagará por um plano de infraestrutura de 3 trilhões a 4 trilhões de dólares.

"(Os rendimentos) dos Treasuries continuam a pressionar conforme a economia norte-americana retorna à atividade e a vacinação no país avança", disse Freitas, que também citou a adoção de grandes estímulos fiscais nos Estados Unidos como fator de impulso para as taxas.

O índice do dólar contra uma cesta de pares fortes subia cerca de 0,3% nesta terça-feira, enquanto divisas emergentes, como peso mexicano, peso chileno e rand sul-africano, operavam com perdas modestas.

Neste pregão, o Banco Central fará leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em dezembro de 2021 e abril de 2022.