Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.126,87
    -3.690,25 (-6,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Dólar tem leve queda e fecha a R$ 5,55 em dia de Copom

·1 min de leitura

No aguardo da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa básica de juros, o dólar teve uma leve queda e a bolsa subiu. A moeda norte-americana oscilou ao longo do dia, mas fechou em baixa. O Ibovespa subiu quase 2% no início da tarde, mas desacelerou e fechou próximo da estabilidade, com pequena queda (0,05%).

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (27) vendido a R$ 5,555, com recuo de 0,33%. A cotação chegou a cair para R$ 5,54 durante a manhã, disparou no início da tarde, chegando a R$ 5,59 pouco depois das 12h, mas perdeu fôlego no restante da sessão, até fechar em baixa.

A moeda norte-americana acumula alta de 2% em outubro. Em 2021, a divisa subiu 7,05%.

Bolsa

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 107.048 pontos, com alta de 0,59%. O indicador chegou a subir 1,7% às 12h06, superando os 108 mil pontos. No entanto, perdeu força com a expectativa de que o Copom apertará o ritmo de aperto na política monetária.

Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com analistas financeiros divulgada pelo Banco Central (BC), a taxa Selic (juros básicos da economia) deveria subir para 7,5% ao ano na reunião de hoje do Copom.

Juros maiores ajudam a segurar o dólar porque estimulam a entrada de capital em países emergentes e de maior risco, como o Brasil. Em contrapartida, a Selic mais alta incentiva os investidores a migrarem da bolsa, cujo mercado oferece risco, para aplicações em renda fixa, como os títulos do Tesouro Nacional.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos