Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.503,88
    +1.245,27 (+2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.485,87
    +50,09 (+3,49%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Dólar tem alta contra real nesta 6ª, mas caminha para perdas semanais e mensais

Luana Maria Benedito
·2 minuto de leitura
Dólar tem alta contra real nesta 6ª, mas caminha para fortes perdas semanais e mensais

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar era negociado em alta contra o real nesta sexta-feira, acompanhando os ganhos da divisa norte-americana no exterior após fechar a última sessão em seu menor patamar em três meses contra a moeda brasileira, mas ainda caminhava para encerrar a semana e o mês de abril com perdas significativas.

Às 10:17 o dólar avançava 0,62%, a 5,3678 reais na venda, enquanto o dólar futuro subia 0,48%, a 5,3645 reais.

O comportamento cambial desta manhã estava em linha com a alta de 0,25% apresentada pelo índice do dólar contra pares fortes, enquanto moedas de países emergentes recuavam contra a divisa dos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, analistas chamavam a atenção para a formação da Ptax de fim de mês, que serve de referência para liquidação de contratos futuros e outros derivativos.

Segundo Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora, há na briga entre comprados e vendidos um "retrospecto favorável aos comprados", que, aliado à desvalorização recente do dólar e ao viés positivo da moeda no exterior, tem tudo para pressionar o real nesta sexta-feira.

Ainda assim, o dólar à vista caminhava para encerrar a semana com queda de aproximadamente 2,6% e abril com perdas de cerca de 5% contra a moeda brasileira, o que marcaria sua maior desvalorização mensal desde novembro de 2020.

Marcos Weigt, head de tesouraria do Travelex Bank, disse à Reuters que vários fatores explicam esse comportamento recente, entre eles o alívio na frente fiscal após a sanção com vetos do Orçamento de 2021. Depois de um longo impasse, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o texto na quinta-feira da semana passada com cortes de 19,8 bilhões de reais.

"O risco fiscal fez com que a gente se descolasse muito de pares emergentes nos últimos meses", afirmou. "Quando esse risco fiscal diminuiu um pouco, o real sofreu uma correção em relação a essa disparidade, e agora tem um espaço bom para se apreciar no médio prazo."

Embora o dólar possa sofrer ajustes para cima no curtíssimo prazo na esteira das perdas registradas nos últimos pregões, um ambiente global de ampla liquidez, perspectivas de fluxos positivos e o processo de normalização da taxa de juros brasileira também podem fornecer suporte ao real no médio prazo, completou Weigt.

Na quinta-feira, a moeda norte-americana registrou queda de 0,49%, a 5,3347 reais na venda, menor patamar desde 26 de janeiro.

O Banco Central anunciou para este pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em novembro de 2021 e março de 2022.