Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.009,33
    +582,36 (+1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Dólar tem 4ª queda seguida com exterior benigno, mas de olho em Brasília

José de Castro
·3 minuto de leitura
Notas de 1 dólar

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar emendou a quarta queda diária consecutiva e fechou no menor patamar em uma semana nesta sexta-feira, com o real entre os melhores desempenhos ao fim de um pregão de forma geral de alívio para os mercados brasileiros, conforme investidores acompanharam o ambiente externo benigno e o noticiário político local.

O dólar à vista caiu 0,75%, a 5,5856 reais na venda, após variar entre 5,6789 reais (+0,91%) e 5,5672 reais (-1,07%).

A cotação não engatava quatro dias de baixa desde a mesma série encerrada em 19 de março.

Na semana, a divisa recuou 1,57% --maior queda desde a semana finda em 12 de março e terceira semana consecutiva de perdas --sequência mais longa do tipo desde dezembro passado.

Em abril, o dólar cai 0,80%, mas no acumulado do ano ainda sobe 7,59%.

Operadores comentaram que a sexta-feira foi de mais desmonte de posições negativas nos ativos domésticos, diante de novas máximas históricas nos mercados externos por expectativas de rápida recuperação da economia global.

Endossando o otimismo, a economia da China cresceu a uma taxa recorde de 18,3% primeiro trimestre ante o mesmo período do ano anterior, sugerindo força na maior consumidora mundial de commodities --importante componente das exportações brasileiras.

Aqui, investidores também avaliaram as perspectivas para o impasse do Orçamento e a agenda de reformas. Comentou-se nas mesas sobre declarações do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) --feitas a profissionais do mercado financeiro em São Paulo--, a respeito de continuação da agenda de reformas e de união entre governo e Congresso.

De forma geral, porém, o persistente ruído político continua a limitar a confiança e manter os elevados prêmios de risco.

Gabriel Tenorio e Claudio Irigoyen, do Bank of America, estão neutros na moeda brasileira justamente pela deterioração dos fundamentos e pelo barulho do lado político, apesar de considerarem o real barato. Os profissionais elevaram para 5,40 reais a estimativa para o dólar ao fim do ano, ante 5,1 reais da projeção anterior.

"É difícil descartar o risco de novos desvios fiscais até que a pandemia esteja sob controle", disseram em nota. "Na margem, taxas de juros mais altas ajudarão (o câmbio). Outros avanços na agenda de reformas podem também ajudar a moeda, mas medidas radicais parecem menos prováveis com a aproximação das eleições de 2022."

Bruno Marques, sócio e gestor dos fundos multimercados macro da XP Asset, avaliou que o dólar, apesar dos patamares atuais, não parece tão distante dos níveis em que deveria estar e vê a moeda hoje como hedge de posições em bolsa, mesmo com a Selic em alta.

"Acho que (a alta de) juros afeta um pouco o real, os juros até pioraram mais que o câmbio no ano, mas não acho que vai ser uma Selic de 5% que vai resolver isso. Nosso problema não é só juros, até porque o mercado já precifica isso (alta da Selic). Já tem bastante coisa no preço", disse.