Mercado fechará em 28 mins

Dólar tem 1ª queda de 2022 com ajuste após altas recentes e exterior mais calmo

·2 min de leitura
Nota de 100 dólares em ilustração

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda nesta quinta-feira, voltando a ficar abaixo de 5,70 reais, com investidores aproveitando o dia mais calmo no exterior para devolver parte das recentes altas da moeda norte-americana.

A cotação chegou a subir mais cedo, oscilando entre altas e baixas ao longo do dia, mas na reta final consolidou o enfraquecimento, com o real beneficiado pela recuperação de algumas divisas emergentes e pela estabilização dos ânimos em Wall Street depois do tombo da véspera, causado pela sinalização do banco central norte-americano sobre chances de aperto mais acelerado na liquidez.

O dólar à vista caiu 0,57% nesta quinta-feira, a 5,6802 reais na venda, depois de variar entre 5,726 reais (+0,23%) e 5,6707 reais (-0,74%).

A divisa acumulou alta de 2,50% nos três primeiros pregões do novo ano.

Na B3, às 17:23 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,37%, a 5,7135 reais.

Ainda assim, o dólar segue acima de suas três principais médias móveis --de 50, 100 e 200 dias--, o que é visto na análise técnica como sinal de valorização para a moeda.

As preocupações sobre os rumos das contas públicas domésticas neste ano eleitoral voltaram a tirar o sono do mercado e influenciaram na série de três altas do dólar neste começo de janeiro. "Em 2022, seguimos vendo a incerteza pesando sobre o real, especialmente em meio ao processo eleitoral. Diante disso, mantivemos nossa expectativa de taxa de câmbio de R$ 5,70 para o final de 2022", disse a XP em cenário macro.

Mas pelo menos nesta sexta-feira é o exterior que tende a de novo dar a tônica dos movimentos do câmbio, com a divulgação de dados de dezembro sobre a geração líquida de postos de trabalho nos EUA.

Os números podem oferecer pistas adicionais sobre se o banco central norte-americano (Fed) poderá de fato antecipar alta de juros e até mesmo começar a reduzir seu balanço patrimonial --esta uma novidade sinalizada na véspera que chacoalhou os mercados globais.

O potencial enxugamento de liquidez pelo BC norte-americano representa um desafio adicional para a classe de ativos emergentes (da qual faz parte o real), que costuma sofrer em situações assim devido ao risco de fuga de capital para os EUA, onde a rentabilidade dos títulos ficaria maior com a alta de juros, pano de fundo de daria suporte ao dólar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos