Mercado fechará em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    103.993,00
    +1.768,74 (+1,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,34
    +4,19 (+6,15%)
     
  • OURO

    1.787,50
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    57.108,12
    +2.702,99 (+4,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.431,37
    +2,43 (+0,17%)
     
  • S&P500

    4.642,35
    +47,73 (+1,04%)
     
  • DOW JONES

    35.073,59
    +174,25 (+0,50%)
     
  • FTSE

    7.157,59
    +113,56 (+1,61%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.257,00
    +206,00 (+1,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3020
    -0,0465 (-0,73%)
     

Dólar zera alta após superar R$5,75; Guedes domina atenções

·2 min de leitura
Cédulas de reais e dólares. REUTERS/Ricardo Moraes

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar à vista zerou os ganhos de mais cedo e esboçava queda na tarde desta sexta-feira, deixando para trás máximas do dia acima de 5,75 reais, com o noticiário em torno do ministro da Economia, Paulo Guedes, dominando o foco de participantes do mercado.

Às 14:26, o dólar recuava 0,08%, a 5,6640 reais na venda, depois de tocar 5,7551 reais no pico do dia, alta de 1,53%. Na B3, o dólar futuro de primeiro vencimento bateu mais cedo 5,7615 reais, pico desde 13 de abril, antes de zerar a alta e operar em torno de 5,6725 reais.

Participantes do mercado repercutiam informações de que Guedes não deixará o cargo, depois que o cancelamento de sua participação em evento nesta sexta-feira intensificou rumores sobre o descontentamento do ministro com os planos do governo de desrespeitar o teto de gastos.

Duas fontes do Ministério da Economia com conhecimento direto do assunto disseram à Reuters que Guedes não pediu demissão.

Mais cedo, o ministro havia cancelado participação que faria em evento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) nesta sexta-feira, segundo a assessoria de imprensa da entidade. Na quinta, ele já havia cancelado participação em outro evento.

Os mercados seguem atentos ao rumo da política econômica, depois que a confirmação da intenção do governo de contornar o teto fiscal para financiar o Auxílio Brasil levantou temores de descontrole das contas públicas, com profissionais vendo a medida como populista.

Enquanto isso, os juros futuros também mostravam arrefecimento em suas altas, depois de as taxas de alguns vencimentos chegarem a disparar mais de 100 pontos-base mais cedo. As taxas mostravam alta de 15 a 42 pontos-base ao longo da curva até janeiro de 2027.

(Por Luana Maria Benedito; edição de José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos