Mercado fechará em 1 h 3 min
  • BOVESPA

    107.209,64
    +846,54 (+0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.557,22
    -157,38 (-0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,46
    -0,20 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.802,40
    +3,60 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    61.163,79
    +2.243,67 (+3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,24
    +60,86 (+4,29%)
     
  • S&P500

    4.586,90
    +35,22 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    35.667,53
    +176,84 (+0,50%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.733,50
    +146,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5379
    +0,1132 (+1,76%)
     

Dólar supera R$5,57 com foco em juros nos EUA e riscos domésticos

·1 minuto de leitura
BTG Pactual piora estimativas para dólar e cita agenda política doméstica, EUA e China

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar rondava as máximas da sessão na tarde desta quarta-feira, chegando a superar os 5,57 reais em meio à antecipação de apostas de aperto monetário nos Estados Unidos e a um cenário doméstico persistentemente arriscado.

Às 14:45, o dólar avançava 0,59%, a 5,5712 reais na venda, e, na máxima do dia, foi a 5,5743 reais, alta de 0,65%. A última vez que o dólar fechou um pregão acima dos 5,57 reais foi em 16 de abril deste ano (5,5856 reais).

Fernando Bergallo, diretor de operações da assessoria de câmbio FB Capital, disse à Reuters que esse movimento tem como pano de fundo crescentes expectativas de redução de compras de ativos pelo Federal Reserve já no mês que vem, com o mercado também antecipando apostas para altas de juros na maior economia do mundo, o que é amplamente visto como prejudicial para moedas de países emergentes.

Nesta quarta-feira, o mercado futuro dos EUA precificou um aperto monetário até setembro do ano que vem depois que dados mostraram avanço nos preços ao consumidor norte-americano no mês passado.

E "notícia ruim para justificar a alta do dólar é o que não falta", disse Bergallo, apontando que o ambiente doméstico de persistentes incertezas políticas e fiscais --com o mercado temendo desrespeito do teto de gastos pelo governo para o ano que vem-- também justifica os atuais patamares da moeda norte-americana. "O câmbio é um termômetro da confiança."

Ele ressaltou que espera "muita volatilidade intradiária (no mercado de câmbio) daqui até o final do ano" em meio a aumento de demanda por dólares comum no período.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos