Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.262,88
    +70,67 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Dólar supera R$5,23 em linha com piora externa em meio a temores de recessão

Notas de dólar

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar abandonou indefinição vista mais cedo e passava a operar firmemente no azul nesta quinta-feira, chegando a superar a marca de 5,23 reais, amparado pelo fortalecimento da divisa norte-americana no exterior conforme a perspectiva de uma política monetária apertada nos Estados Unidos alimentava temores de recessão.

Às 15:11 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,88%, a 5,2249 reais na venda. No pico da sessão, o dólar saltou 1%, a 5,2310 reais, o equivalente a seu maior patamar para encerramento desde 11 de fevereiro deste ano (5,2428).

Na B3, às 15:11 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,51%, a 5,2355 reais.

O mercado de câmbio doméstico acompanhava movimento visto no exterior, onde o índice do dólar contra uma cesta de pares fortes devolveu perdas anteriores e passava a subir 0,31% nesta quinta-feira.

Várias moedas sensíveis ao apetite por risco global, como dólar australiano, rand sul-africano, peso chileno e peso colombiano, caíam acentuadamente nesta tarde, em linha com piora no desempenho das principais bolsas globais. [.NPT]

Investidores repercutiam comentários do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, que reconheceu nesta quinta-feira em audiência no Congresso dos EUA que uma recessão é "certamente uma possibilidade" na maior economia do mundo. Apesar desse risco, ele reforçou o compromisso "incondicional" do Fed com o controle da inflação.

Somando-se ao ambiente externo arisco, riscos fiscais brasileiros colaboravam para a valorização do dólar, disseram participantes do mercado, citando discussões em torno de possíveis medidas do governo para compensar a alta dos preços dos combustíveis, como a criação de um auxílio a caminhoneiros.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos