Mercado abrirá em 8 h 48 min
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,98
    +0,20 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.817,70
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    20.074,91
    -207,90 (-1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    431,29
    -8,38 (-1,91%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    22.002,91
    +6,02 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.429,03
    -375,57 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    11.652,50
    -38,50 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4153
    +0,0047 (+0,09%)
     

Dólar supera R$ 5,20 com perspectiva de juro maior nos EUA

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar avançava para além dos R$ 5,20 nesta quinta-feira (23), com investidores à espera de mais uma audiência do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, ao Congresso dos Estados Unidos, enquanto temores globais sobre possível recessão e riscos fiscais domésticos seguiam no radar.

Investidores também ficarão atentos ao presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, que dará entrevista à imprensa a partir das 11h (de Brasília) sobre a condução da política monetária, acompanhando do novo diretor de Política Econômica, Diogo Guillen.

Às 9h07 (de Brasília), o dólar à vista avançava 0,54%, a R$ 5,2070 na venda.

Na B3, às 9h07 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,21%, a R$ 5,2200.

Na véspera, a divisa norte-americana à vista subiu 0,50%, a R$ 5,1791 na venda.

Temores de uma recessão nos Estados Unidos voltaram a balançar os mercados mundiais nesta quarta-feira (22) após o presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) reforçar o ímpeto da autoridade monetária em frear a maior inflação no país em 40 anos. Jerome Powell disse que o Fed está "fortemente comprometido" em atingir rapidamente esse objetivo.

Powell afirmou que o risco de desaceleração econômica é "certamente possível" durante audiência ao comitê bancário do Senado, embora tenha ponderado quanto à possibilidade de recessão.

Analistas consideraram as declarações de Powell como um aviso de que o Fed poderá subir sua taxa de juros entre 0,75 e 1 ponto percentual em agosto.

Na semana passada, o Fed aumentou os juros em 0,75 ponto, na maior elevação aplicada pela autoridade desde 1994.

A Bolsa de Valores brasileira caiu 0,16%, com o Ibovespa fechando em 99.522 pontos. O mercado doméstico acompanhou a baixa da Bolsa de Nova York, cujo índice de referência, o S&P 500, cedeu 0,13%. Dow Jones e Nasdaq, dois dos principais indicadores das ações americanas, perderam 0,15% e 0,15%.

Também encerraram o dia em baixa os principais mercados de ações europeus, com Londres, Paris e Frankfurt caindo 0,88%, 0,81% e 1,11%, nessa ordem.

O preço de referência do barril do petróleo bruto era negociado com desvalorização de 4,06% no início da noite desta quarta, cotado a US$ 109,99 (R$ 566,48).

Na última sexta-feira (17), o barril do Brent já havia tombado 5,58%. No acumulado deste ano, porém, a matéria-prima ainda tem valorização de quase 40%.

Juros elevados nos Estados Unidos sinalizam ao mercado que o consumo na principal economia do planeta poderá cair severamente e espalhar a recessão pelo globo. A desaceleração reduz a necessidade de produção de energia e, consequentemente, a demanda por combustíveis derivados do petróleo.

Além das preocupações quanto à recessão, os preços do petróleo também despencavam nesta quarta devido à notícia de um plano elaborado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para reduzir os custos de combustível para os motoristas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos