Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.369,21
    +703,61 (+2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Dólar sobe a R$5,46 e fecha na máxima em 6 meses à espera de decisões de juros

Maço de notas de 5 dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou no maior patamar em seis meses nesta quarta-feira, indo acima de 5,47 reais nas máximas do dia, conforme investidores foram às compras estimulados pela recuperação global da moeda norte-americana na véspera de uma importante decisão de juros.

O dólar à vista subiu 0,75%, a 5,4604 reais. É o maior valor desde os 5,5070 reais de 24 de janeiro. No pico, foi a 5,4722 reais.

Com isso, a queda no acumulado do ano, que chegou a mais de 17% em abril, é agora de apenas 2,03%.

No exterior, o índice do dólar subia 0,39% no fim da tarde, após cair 0,29% mais cedo. O euro --muitas vezes tido como um termômetro do sentimento geral dos mercados-- caía 0,5% antes da decisão de juros no bloco monetário, que pode ver elevação de taxa pela primeira vez em muitos anos.

O Japão também anuncia decisão de política monetária na quinta-feira. Passados os dois eventos, as atenções se voltam para os EUA, onde na próxima quarta o Fed vai promover nova alta de juros, levando o debate a migrar para o próximo encontro do Fomc, em setembro.

Segundo o UBS, existe a possibilidade de o Fed elevar a taxa em 100 pontos-base na próxima semana, mas outra abordagem dura seria o banco central optar por não subir nessa magnitude neste mês, mas adicionar um terceiro aumento de 75 pontos-base em setembro.

Movimentos de força do dólar no mundo devem continuar a empurrar a moeda no Brasil também para cima, a julgar pelas medidas de correlação, que para 21 dias úteis estão nas máximas em pelo menos uma década, indicativo de quão ligado à dinâmica dos mercados cambiais externos o real tem estado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos