Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.667,78
    +440,32 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.151,38
    -116,95 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,59
    +0,37 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.803,00
    +5,10 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    49.698,51
    +1.167,39 (+2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,60
    -35,32 (-3,48%)
     
  • S&P500

    3.925,43
    +44,06 (+1,14%)
     
  • DOW JONES

    31.961,86
    +424,51 (+1,35%)
     
  • FTSE

    6.658,97
    +33,03 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    29.718,24
    -914,40 (-2,99%)
     
  • NIKKEI

    29.671,70
    -484,33 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.326,50
    +24,50 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5807
    -0,0298 (-0,45%)
     

Dólar sobe para R$ 5,43 em mais um dia de volatilidade

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·1 minuto de leitura

Em mais um dia de volatilidade no mercado financeiro, o dólar subiu, ignorando a melhora no cenário externo. A bolsa de valores teve uma alta forte depois de seis dias seguidos de queda, impulsionada pelas bolsas norte-americanas.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (28) vendido a R$ 5,436, com alta de R$ 0,029 (+0,53%). Por duas vezes no dia, por volta das 11h e das 14h, a cotação chegou a cair para R$ 5,39, mas a tendência de alta firmou-se durante a tarde.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 118.883 pontos, com alta de 2,59%. Apesar da recuperação de hoje, o indicador está 5% abaixo do nível recorde de 125.076 pontos registrado em 8 de janeiro.

O dólar foi influenciado pelo fim de mês, quando investidores que investem em ações compram moeda para se protegerem de prejuízos. Além disso, o Banco Central (BC) interveio menos no mercado nesta quinta-feira, leiloando apenas metade do lote de 16 mil contratos de swap cambial (operação equivalente à venda de dólares no mercado futuro). Com a intervenção menor, aumenta a volatilidade da cotação.

No mercado externo, a divulgação de balanços trimestrais de empresas norte-americanas com lucros melhores que o esperado impulsionou as bolsas nos Estados Unidos, que ontem (27) tiveram o pior dia em três meses. O fato de que os pedidos de seguro-desemprego vieram abaixo das previsões nos Estados Unidos também ajudou o mercado global.

* Com informações da Reuters