Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,33
    +0,25 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    34.786,04
    +1.669,93 (+5,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    836,10
    +49,48 (+6,29%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.359,00
    +96,00 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8619
    -0,0666 (-1,12%)
     

Dólar sobe para R$ 5,31 em novo dia volátil

·2 minuto de leitura

Em um novo dia de volatilidade, o dólar fechou em leve alta, após cair quase 1% durante a manhã. A bolsa de valores recuperou-se no dia seguinte à pior queda desde o início de março e voltou a ficar acima dos 120 mil pontos.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (13) vendido a R$ 5,313, com alta de 0,15%. A divisa alternou altas e baixas durante o dia, chegando a cair para R$ 5,25 por volta das 11h, mas não sustentou o recuo. Subiu para R$ 5,33 na máxima do dia, por volta das 15h, caiu novamente no fim da tarde, mas voltou a valorizar-se nos minutos finais de negociação.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 120.820 pontos, com alta de 0,93%. O indicador foi influenciado pelo mercado externo, que se recuperou das tensões de ontem, e pela divulgação de balanços trimestrais de empresas.

Apesar da entrada de divisas por causa da safra de grãos e valorização do preço internacional dos minérios, o mercado financeiro continua pressionado pela divulgação de dados da economia norte-americana.

O Índice de Preços ao Produtor dos Estados Unidos registrou alta de 0,6% em abril, o dobro do esperado pelos analistas de mercado, segundo números apresentados hoje. Ontem (12), foi divulgado que a inflação ao consumidor somou 0,8% no mês passado, o maior nível para meses de abril em 12 anos nos Estados Unidos.

A alta da inflação aumenta a expectativa de que o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) comece a retirar os estímulos à economia norte-americana concedidos por causa da pandemia de covid-19 antes do previsto, aumentando os juros da maior economia do planeta antes de dezembro de 2022. Taxas mais altas em países desenvolvidos estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos