Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.009,93
    +121,14 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Dólar sobe para R$ 5,67, mas cai 0,81% na semana

Wellton Máximo - Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

O dólar voltou a aproximar-se de R$ 5,70 num dia marcado por tensões em torno dos vetos no orçamento. A bolsa de valores recuou levemente, depois de duas altas seguidas.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (9) vendido a R$ 5,675, com alta de R$ 0,101 (+1,81%). A cotação operou em alta durante toda a sessão, mas intensificou o ritmo de alta durante a tarde. Apesar da alta de hoje, a divisa acumulou queda de 0,81% na semana.

No mercado de ações, o dia teve perdas. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 117.670 pontos, com recuo de 0,54%. O indicador chegou a ensaiar uma alta no início da tarde, mas consolidou a tendência de queda nas horas finais de negociação. Na semana, o índice subiu 2,28%.

Num dia de otimismo nos mercados internacionais, as tensões domésticas dominaram as negociações. O dólar subiu em todo o planeta, mas a valorização foi mais forte no Brasil em meio às negociações em torno dos vetos ao Orçamento Geral da União de 2021.

Aprovado com despesas obrigatórias subestimadas em R$ 26,45 bilhões, o orçamento destinou esses recursos a emendas parlamentares impositivas. A equipe econômica recomendou que o presidente Jair Bolsonaro vete alguns pontos, mas setores do Congresso pressionam pela sanção completa.

*Com informações da Reuters.