Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    50.049,88
    +951,18 (+1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Dólar sobe para R$ 5,49, mas cai pela quarta semana seguida

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*
·2 minuto de leitura

Em um dia de volatilidade no mercado financeiro, o dólar subiu pela primeira vez depois de sete quedas seguidas. Mesmo assim, a moeda norte-americana acumulou a quarta semana consecutiva de recuo. A bolsa de valores subiu na sessão, mas não conseguiu ultrapassar os 121 mil pontos e teve a primeira queda semanal após três semanas de alta.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (23) vendido a R$ 5,497, com alta de R$ 0,043 (+0,78%). A divisa começou o dia em queda, vendida a R$ 5,43, mas começou a subir ainda durante a manhã. Na máxima do dia, por volta das 12h30, chegou a R$ 5,51, mas desacelerou à tarde e manteve-se abaixo de R$ 5,50.

A moeda norte-americana encerrou a semana com recuo de 1,59%. Em abril, o dólar acumula queda de 2,37%, mas sobe 5,88% em 2021.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela recuperação. Depois de três dias seguidos de queda, o Ibovespa, índice da B3, fechou o dia aos 120.530 pontos, com alta de 0,97%. Apesar dos ganhos desta sexta, o indicador encerrou a semana com perda acumulada de 0,48%.

Nos últimos dias, a bolsa foi influenciada por um movimento de realização de lucros, quando investidores vendem ações para embolsar ganhos recentes, e por oscilações no mercado norte-americano. Com os papéis mais baratos, os aplicadores voltaram a comprar ações, no Brasil e no exterior, impulsionando o mercado de ações.

Em relação ao dólar, a moeda norte-americana subiu porque dados do setor de serviços nos Estados Unidos sugeriram que a recuperação da maior economia do planeta está mais forte que o esperado. Isso provocou um leve aumento no rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano, considerados os investimentos mais seguros do planeta.

Taxas mais altas nos Estados Unidos pressionam o câmbio em países emergentes, como o Brasil. No entanto, a sanção do Orçamento Geral da União de 2021, com vetos parciais que garantem o cumprimento do teto de gastos, segurou a alta da moeda norte-americana.

*Com informações da Reuters