Mercado abrirá em 7 h 52 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,32
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.750,70
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    44.211,63
    +169,05 (+0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.103,38
    -5,54 (-0,50%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.504,11
    -6,87 (-0,03%)
     
  • NIKKEI

    30.241,11
    +601,71 (+2,03%)
     
  • NASDAQ

    15.291,50
    -12,00 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2233
    -0,0017 (-0,03%)
     

Dólar sobe para R$ 5,42 e fecha no maior nível desde maio

·2 minuto de leitura

As tensões no mercado financeiro internacional voltaram a dominar as negociações nesta quinta-feira (19), fazendo o dólar ultrapassar a barreira de R$ 5,40 e fechar no nível mais alto desde o início de maio. A bolsa chegou a cair 1,58% durante a manhã, mas recuperou-se ao longo do dia e teve a primeira alta após três dias seguidos de perda.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,423, com alta de R$ 0,048 (+0,89%). A cotação operou em alta durante toda a sessão, chegando a ultrapassar R$ 5,45 no início das negociações.

Com a valorização nos últimos dias, a divisa acumula alta de 4,09% apenas em agosto. Em 2021, a alta chega a 4,51%.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela leve recuperação. Depois de três quedas seguidas, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 117.165 pontos, com alta de 0,45%. O indicador inverteu a queda registrada pela manhã, após ficar abaixo dos 115 mil pontos, influenciado pela alta das bolsas norte-americanas e pelo movimento de compra de ações depois de alguns papéis terem ficado baratos.

Tanto fatores internos como externos têm provocado nervosismo no mercado nos últimos dias. O dólar subiu em todo o planeta pelo segundo dia seguido, após a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) ter indicado que parte dos dirigentes defende o início, ainda este ano, da retirada dos estímulos monetários concedidos durante a pandemia de covid-19.

Paralelamente, as preocupações com a disseminação da variante Delta do novo coronavírus aumentaram as tensões. Os preços das commodities (bens primários com cotação internacional) continuaram a cair, em meio aos receios de atraso na recuperação econômica global.

No Brasil, as discussões em torno da proposta de emenda à Constituição (PEC) que parcela os precatórios e da reforma do Imposto de Renda (IR) reforçaram os ruídos. Os investidores temem que a PEC crie gastos fora do teto e que as mudanças no IR reduzam a arrecadação, agravando o desequilíbrio das contas públicas.

*Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos