Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.129,24
    -203,37 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Dólar sobe mais de 1%, supera R$5,24 e deixa real na lanterna global

Notas de cem dólares

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar acelerou seus ganhos para mais de 1% nesta quinta-feira e chegou a superar os 5,24 reais nos maiores patamares da sessão, deixando a moeda brasileira com um dos piores desempenhos globais no dia.

Às 14:04 (de Brasília), o dólar à vista avançava 1,01%, a 5,2311 reais na venda. No pico do dia, a divisa norte-americana saltou 1,25%, a 5,2436 reais, nível que não era visto desde terça-feira da semana passada.

Na B3, às 14:04 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,21%, a 5,2510 reais.

O real dividia com o sol peruano a posição de pior desempenho no pregão entre uma cesta das principais moedas relevantes do mundo. Algumas outras divisas a cujo movimento o real é sensível --como dólar australiano, peso mexicano e rand sul-africano-- também tinham queda nesta quinta-feira, embora a ritmo mais moderado.

Os mercados financeiros globais viviam nova onda de aversão a risco neste pregão, depois que dados econômicos fortes dos EUA reforçaram a expectativa de que o Federal Reserve, banco central do país, siga incisivo em seu atual ciclo de aperto monetário.

As vendas no varejo norte-americano subiram 0,3% em agosto, contrariando expectativa de estabilidade, enquanto os pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caíram na semana passada, indicando força do mercado de trabalho.

(Por Luana Maria Benedito)