Mercado abrirá em 3 h 56 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,17
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,70
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    38.538,88
    +849,29 (+2,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    952,47
    +25,70 (+2,77%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.129,79
    +5,93 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.094,75
    +21,25 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1463
    +0,0280 (+0,46%)
     

Dólar fecha acima de R$5,40 com receios domésticos sobre fiscal

·2 minuto de leitura
.

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta contra o real nesta quarta-feira, depois de mais um dia em que oscilou entre altas e baixas, com a volatilidade ditada pela volta dos mercados ao foco doméstico, centrado em problemas fiscais.

O fortalecimento da moeda norte-americana no exterior deu respaldo ao movimento local, num contexto em que moedas emergentes --que brilharam nos últimos pregões-- devolveram parte dos ganhos recentes.

O dólar à vista subiu 0,47%, a 5,4167 reais na venda. Ao longo do dia, a cotação variou entre 5,458 reais (+1,24%) e 5,374 reais (-0,32%).

Na B3, o dólar futuro tinha variação negativa de 0,06%, a 5,4165 reais, às 17h04. A diferença de sinal em relação ao mercado à vista ocorre porque, na véspera, o segmento futuro, que encerra às 18h15, chegou ao fim do pregão em alta de 0,46%, contra ganho de apenas 0,11% no dólar interbancário. Portanto, nesta quarta ocorreu um "catch up" (ajuste) entre essas taxas de câmbio.

A puxada no dólar futuro no dia anterior ocorreu em meio a comentários do presidente Jair Bolsonaro que foram interpretados como sinais de que o governo buscará a todo custo manter algum tipo de ajuda financeira a mais vulneráveis em 2021, depois do projetado fim do auxílio emergencial ao término de 2020.

Em evento na terça, Bolsonaro destacou que o auxílio emergencial acaba em dezembro. "Como ficam os 40 milhões que perderam tudo?", questionou.

Para o mercado, o entendimento é de que seguem riscos de flexibilização do teto de gastos, principal âncora fiscal do país.

"Eliminamos o risco da eleição americana e o risco da pandemia diminuiu. Ficamos agora com as questões domésticas: endividamento público e maior risco geral com uma Selic nas mínimas", disse Fabrizio Velloni, economista-chefe da Frente Corretora, para quem o juro básico da economia, atualmente em 2% ao ano, deveria estar em 4,5% para acomodar os riscos.

"Não temos hoje nenhuma sinalização de movimento eficaz para resolver o problema do déficit público. E existe uma inatividade no governo, caminhamos para mais um trimestre perdido", afirmou.

A "volta à realidade" --nas palavras de um operador de uma corretora, em referência ao retorno das discussões sobre os problemas fiscais domésticos após o alívio externo recente-- impactou o mercado de câmbio e também o de juros, em que as taxas de DI de longo prazo dispararam cerca de 20 pontos-base.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos